Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

104 records were found.

A avaliação do risco de inundação apresenta um carácter multidisciplinar, e a abordagem deve ser centrada no perigo e na vulnerabilidade. O objectivo deste estudo é desenvolver uma metodologia para avaliação do risco de inundação em zonas urbanas, tendo como base a melhoria da modelação digital da superfície de escoamento, e da estimativa da vulnerabilidade à inundação. No âmbito da modelação hidráulica de inundações, foi desenvolvido, testado e validado um método para a criação de um Modelo Digital de Superfície de escoamento (MDSe) com exactidão e resolução espacial elevadas, pela integração de informação geográfica existente e obtida de diferentes fontes. A vulnerabilidade é um conceito multi-dimensional e complexo, cuja classificação apresenta uma elevada incerteza. Neste estudo foram utilizadas duas abordagens para modelação da vulnerabilidade à inundação, através da Análise Multicritério Espacial e da Análise de Componentes Principais. A integração de dados LiDAR, cartografia a escala grande, e imagens aéreas de elevada resolução na construção do MDSe, contribuiu para uma melhoria de desempenho do modelo LISFLOOD-FP. O método de agregação e a escala de análise influenciam a classificação da vulnerabilidade à inundação. É importante a estimativa da vulnerabilidade à escala local para fornecer informação detalhada para a avaliação do risco de inundações em zonas urbanas.
Contém referências bibliográficas
Contém referências bibliográficas
Contém referências bibliográficas
Contém referências bibliográficas
O objectivo deste estudo consistiu em analisar os cenários e modelos climáticos em função de um conjunto de factores de modo a determinar a probabilidade de ocorrência das duas principais classes de uso do solo previstas para um determinado ano.
Os Parques Eólicos foram uma das tipologias de projecto, constante das Listas Positivas do DL 69/2000 de 3 de Maio, que mais têm sido sujeitos ao procedimento de Avaliação de Impacte Ambiental, quer pelo aumento do número deste tipo de infra-estruturas, quer pelas localizações maioritariamente em zonas protegidas. Os maiores impactes decorrentes deste tipo de projecto verificam-se no descritor Paisagem, no entanto, os impactes visuais nem sempre foram estudados de forma adequada. A construção de perfis visuais e simulações visuais é ainda uma técnica pouco utilizada nos Estudo de Impacte Ambiental destas tipologias. Assim, foi desenvolvida uma metodologia de Sistemas de Informação Geográfica (SIG), para a construção de bacias de visão e permitir a análise do impacte visual. Neste estudo foi analisado o impacte visual dos aerogeradores de um Parque Eólico nas localidades limítrofes. A aplicação desta metodologia em SIG necessita da seguinte informação geográfica base: altimetria, toponímia e localização dos aerogeradores. A análise das bacias de visão, utilizando a tecnologia SIG, é um processo eficiente na avaliação do impacte visual de infra-estruturas com efeito negativo sobre a paisagem.
Contém os resumos das comunicações e dos pósteres apresentados no II Encontro de Sistemas de Informação Geográfica.
Contém referências bibliográficas
No Projecto POCI/AGR/59180/2004, concluído em 2009 (cf. Lobo-Ferreira et al., 2009), apresenta-se uma metodologia para avaliação quantitativa dos impactos dos fogos florestais na quantidade e qualidade das águas superficiais e subterrâneas. Nesta metodologia procura-se avaliar as alterações que possam ter ocorrido após o fogo: (A) em volumes de recarga, (B) volumes de escoamento superficial, (C) qualidade das águas superficiais e subterrâneas. Esta metodologia considera: (1) tipo e densidade de coberto vegetal à data do incêndio; (2) tipos de poluentes que podem ser libertados pelas diferentes comunidades vegetais afectadas pelo fogo; (3) extensão e volume do aquífero e sua porosidade eficaz, para aferir dos volumes de reservas de água; (4) recarga média anual; (5) tempo de permanência das águas no sistema subterrâneo. Para a avaliação do tipo e densidade de coberto vegetal e consequente biomassa combustível à data do incêndio usou-se a inventariação fitossociológica, cartografia da vegetação, análise estatística multivariada e estimativa da biomassa florestal ardida, realizada pela Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco. Os tipos e cargas poluentes libertados calcularam-se com base nos valores de biomassa ardida e estudos (realizados por INETI – Departamento de Engenharia Energética e Controlo Ambiental) de cinzas de ensaios de combustão de espécies florestais e arbustivas representativas do coberto vegetal ardido, e ensaios de lixiviação de solos e cinzas. A avaliação das variações na recarga baseou-se na informação recolhida nos estudos quantitativos realizados na bacia de Manteigas, associada a modelos hidrológicos conceptuais e cenários de variação de escoamento e evapotranspiração quando a informação não era suficiente para colmatar as lacunas de conhecimento. Com base na biomassa ardida, características composicionais das suas cinzas e potenciais de lixiviação, calculou-se a quantidade e tipo de poluentes em fase sólida e dissolvida passíveis de entrar nas águas superficiais e subterrânea. As características hidráulicas dos meios geológicos afectados deram os volumes de armazenamento e as prováveis velocidades de circulação nestes materiais, o que serviu para prever espaços temporais de contaminação da área. Da avaliação dos volumes de carga poluente calculados e dos dados de campo de decaimento destas cargas poluentes nas águas superficiais e subterrâneas em zonas de coberto vegetal similar estabeleceram-se cenários possíveis do tempo de desaparição do poluente na área ardida. Nesta comunicação realçam-se os aspectos relacionados com a caracterização e análise do coberto vegetal lenhoso e o seu contributo para a produção de cinzas resultantes de incêndios florestais.
Procedeu-se à inventariação de informação relativa aos solos e vegetação nas áreas de estudo, correspondentes às bacias hidrográficas do Caratão, Carvoeiro e Quebradas. De acordo com a informação recolhida procedeu-se a uma análise estatística e respectiva representação espacial das variáveis em estudo. A análise estatística multivariada, juntamente com os sistemas de informação geográfica, constituem uma poderosa combinação de instrumentos que permitem analisar padrões regionais de distribuição das comunidades florísticas. Na presente análise estas técnicas foram aplicadas com o intuito de: a. Compreender a importância das variáveis ambientais para as comunidades vegetais nas áreas em apreço; b. Quantificar as preferências de habitat por parte das mesmas espécies; c. Classificar os inventários realizados com base em critérios de dominância e de semelhança na composição florística. Para cada uma das bacias hidrográficas, e para efeitos de amostragem, foi definida uma grelha de pontos para as três primeiras bacias com uma equidistância de 160 m (Figura 1). Foram consideradas parcelas de amostragem com uma área de 200 m2 centradas nesses pontos. Esta rede de amostragem foi considerada a mais adequada para realizar uma análise ecológica das áreas em apreço. Procedeu-se igualmente à recolha material vegetal para incineração e determinação do teor de humidade, bem como à recolha de amostras de solo por inventário fitossociológico. O inventário das espécies arbóreas e arbustivas e respectiva caracterização dendrométrica permitiu estimar, através de modelos de previsão do crescimento das espécies, a biomassa disponível.
Este estudo pretende identificar a relação existente entre as comunidades de aves que nidificam na sub-região Beira Interior Sul e a estrutura da paisagem desse território. Com base na ocupação do solo foi calculado, através da extensão Patch Analyst do programa ArcGIS 9.3.1, um conjunto de métricas espaciais que caracterizem a estrutura da paisagem. A informação da rugosidade do terreno foi calculada a partir do Modelo Digital do Terreno através da extensão Land Facet Corridor Tools do programa ArcGIS 9.3.1. Os dados resultantes, juntamente com a informação referente às aves nidificantes, foram posteriormente estudados através de Análise Canónica de Correspondências (ACC) e de Análise Classificativa (AC). Os resultados mostram que a Beira Interior Sul apresenta locais com uma riqueza específica significativa no que diz respeito às comunidades de passeriformes nidificantes, embora os resultados obtidos não sejam idênticos para toda a sub-região. Este facto pode ser explicado por diversos factores como o zonamento do território, em que se distingue um sector oeste mais homogéneo, com clara dominância florestal e menor disponibilidade de nichos ecológicos, de um sector este com maior heterogeneidade e proporcionalidade de ocupações do solo, permitindo a existência de mais nichos ecológicos para as diferentes espécies de aves. Os resultados da ACC, mostram ainda que as tipologias de ocupação do solo têm maior influência na distribuição da avifauna, ao explicar 37% da variação total, do que a estrutura, cujo resultado foi de 16%. O índice de rugosidade da superfície do terreno, melhorou a explicação da variação total em 5%.
Este estudo pretende identificar a relação existente entre as comunidades de aves que nidificam na sub-região Beira Interior Sul e a estrutura da paisagem desse território. Com base na ocupação do solo foi calculado, através da extensão Patch Analyst do programa ArcGIS 9.3.1, um conjunto de métricas espaciais que caracterizem a estrutura da paisagem. A informação da rugosidade do terreno foi calculada a partir do Modelo Digital do Terreno através da extensão Land Facet Corridor Tools do programa ArcGIS 9.3.1. Os dados resultantes, juntamente com a informação referente às aves nidificantes, foram posteriormente estudados através de Análise Canónica de Correspondências (ACC) e de Análise Classificativa (AC). Os resultados mostram que a Beira Interior Sul apresenta locais com uma riqueza específica significativa no que diz respeito às comunidades de passeriformes nidificantes, embora os resultados obtidos não sejam idênticos para toda a sub-região. Este facto pode ser explicado por diversos factores como o zonamento do território, em que se distingue um sector oeste mais homogéneo, com clara dominância florestal e menor disponibilidade de nichos ecológicos, de um sector este com maior heterogeneidade e proporcionalidade de ocupações do solo, permitindo a existência de mais nichos ecológicos para as diferentes espécies de aves. Os resultados da ACC, mostram ainda que as tipologias de ocupação do solo têm maior influência na distribuição da avifauna, ao explicar 37% da variação total, do que a estrutura, cujo resultado foi de 16%. O índice de rugosidade da superfície do terreno, melhorou a explicação da variação total em 5%.
Artigo apresentado como comunicação no I Congresso Nacional das Ciências do Solo que decorreu em Lisboa, no Instituto Superior de Agronomia de 23 a 27 de Junho de 2001.
O planeamento metódico do território permite, extrair o potencial de cada região e preservar os recursos naturais. Os municípios do Crato e de Portalegre, apresentam boas condições edafo-climáticas para a de um mel de prática agrícola, apresentando uma floração sucessiva e diversificada, o que conduz à produção de excelente qualidade. A área de estudo encontra-se na Zona Controlada sob gestão da Apilegre. Este estudo enquadra-se no seguimento de outros trabalhos anteriormente desenvolvidos pela mesma equipa e pretende integrar vários parâmetros biofísicos, através de uma metodologia de análise espacial, para apoio à tomada de decisão na instalação de apiários. As cartas de zonas com potencial apícola e as zonas interditas são elementos importantes no apoio ao ordenamento apícola e que podem ser melhorados com a integração de novas variáveis, tais como: a influência do uso de pesticidas na agricultura e a proximidade a fontes de radiação eletromagnética.
Modelação espacial do potencial de produção apícola utilizando software open source.
O presente trabalho tem como objectivo identificar a relação existente entre as comunidades de aves que nidificam na sub-região Beira Interior Sul e a composição e estrutura da paisagem desse território. Procurou-se, igualmente, verificar a importância da rugosidade do terreno na distribuição destas comunidades. Foi igualmente objectivo do estudo identificar um conjunto de métricas espaciais que caracterizem a estrutura da paisagem, bem como as tipologias fisionómicas de habitat passíveis de determinar a distribuição das comunidades de passeriformes nidificantes. A informação referente à ocupação de solo foi processada no programa ArcGIS 9.3.1, com recurso à extensão Patch Analyst. A informação relativa à rugosidade do terreno foi analisada na extensão Land Facet Corridor Tools. Os dados resultantes, juntamente com a informação referente às aves nidificantes, foram posteriormente estudados através de Análise Canónica de Correspondências (ACC) e de Análise Classificativa (AC). Os resultados do estudo mostram que a Beira Interior Sul apresenta locais com uma riqueza específica significativa no que diz respeito às comunidades de passeriformes nidificantes, embora os resultados obtidos não sejam idênticos para toda a sub-região. O valor de 11,7, correspondente à riqueza específica média é razoável, mas apresenta um desvio padrão de 5,2, que expressa essa realidade. Este facto pode ser explicado por diversos factores como o zonamento do território, em que se distingue um sector oeste mais homogéneo, com clara dominância florestal e menor disponibilidade de nichos ecológicos, de um sector este com maior heterogeneidade e proporcionalidade de ocupações do solo, permitindo a existência de mais nichos ecológicos para as diferentes espécies de aves. Os resultados da ACC, mostram ainda que as tipologias de ocupação do solo têm maior influência na distribuição da avifauna, ao explicar 37% da variação total, do que a estrutura, cujo resultado foi de 16%. Para o estudo da estrutura deste território fica também demonstrada a importância de incluir índices de rugosidade, porque esta opção permitiu melhorar a explicação da variação total em 5%. A análise classificativa permitiu a identificação de tipologias fisionómicas importantes em que predominam os estratos arbóreo e arbustivo, cujos resultados estão em conformidade com os grémios de alimentação e nidificação identificados para as aves estudadas.
Utilização de SIG “open souce” no ordenamento apícola. Caso de estudo: área controlada de Castelo Branco.
This work focuses on developed a decision support system based on multicriteria spatial analysis to assess the potential for generation of biomass residues from forestry sources in a region of Portugal (Beira Baixa). A set of environmental, economic and social criteria was defined, evaluated and weighted in the context of Saaty's analytic hierarchies. The best alternatives were obtained after applying Analytic Hierarchy Process (AHP). The model was applied to the central region of Portugal where forest and agriculture are the most representative land uses. Finally, sensitivity analysis of the set of factors and their associated weights was performed to test the robustness of the model. The proposed evaluation model provides a valuable reference for decision makers in establishing a standardized means of selecting the optimal location for new biomass plants.
A modelação e a padronização dos incêndios com recurso aos sistemas de informação geográfica, constituem uma ferramenta de apoio à decisão no planeamento e localização de acções de prevenção e supressão de incêndios. A metodologia utilizada assenta num estudo do histórico de incêndios, no diagnóstico de condicionantes na definição de soluções e identificação de oportunidades de supressão.
A classificação é um processo através do qual se procede à transposição dos níveis radiométricos das imagens com o objectivo de identificar um tipo de fenómeno específico presente na imagem, e baseia-se na reflectividade das superfícies em função da sua composição, temperatura ou humidade, entre outros. Nos processos de classificação utilizam-se operações genéricas dos modelos matriciais, de forma a obter novas imagens mais adequadas à identificação desse fenómeno. Este estudo tem como objectivo elaborar uma avaliação comparativa do processo de classificação supervisionada em três softwares (Idrisi Andes, PCI – Geomatics v10.0 e ENVI 4.4) para a área de estudo correspondente à folha nº 331 da Carta Militar de Portugal Continental. As questões em análise foram as seguintes: qual o software mais adequado para desenvolver classificação supervisionada de imagens e qual o efeito da redução do número de classes e do aumento do número de bandas no resultado final.
A Estrutura Ecológica (EE) é uma figura de ordenamento do território integrada na legislação portuguesa pelo Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro; no entanto foi sempre muito vaga no seu conceito, com uma definição pouco clara que deu origem a diversas interpretações. Esta estrutura visa a sustentabilidade ecológica da paisagem e tem que ser delimitada a todas as escalas do planeamento. À escala local, a Estrutura Ecológica Municipal (EEM) representa uma figura de planeamento ambiental integrada no Plano Diretor Municipal (PDM), cuja implantação se revela fundamental para a concretização dos pressupostos de desenvolvimento sustentável e para a melhoria da qualidade de vida das populações. O PDM deve seguir as indicações dos Instrumentos de Gestão Territorial (IGT) supra-municipais e, por conseguinte, a EEM deve transpor para a escala local todas as orientações de ordem ambiental e ecológicas contidas nos planos de ordem superior. Assim, este estudo tem como objetivo desenvolver uma metodologia de análise espacial para definição da Estrutura Ecológica Municipal de Nisa, tendo como objetivos específicos: delimitar a EEM em articulação com a Estrutura Regional de Proteção e Valorização Ambiental (ERPVA) identificada no Plano Regional de Ordenamento do Território do Alentejo (PROT Alentejo); e definir graus de valorização/proteção dos valores naturais e semi-naturais integrados na EEM, seguindo as orientações do Plano Sectorial da Rede Natura 2000 (PSRN 2000). Através de métodos e modelos de análise espacial integrados em Sistemas de Informação Geográfica (SIG), identificam-se e analisam-se as componentes físicas e biológicas dos ecossistemas presentes no território municipal. Depois de concluída a interpretação do território, e com base nesta, delimita-se a EEM de Nisa e são atribuídos graus de proteção aos valores naturais e semi-naturais em presença, numa perspetiva de preservar as zonas mais sensíveis da paisagem, que contribuem para a promoção da biodiversidade e para a valorização ambiental. A EEM de Nisa resulta na constituição de quatro áreas nucleares que emergem das zonas de maior concentração de valores naturais e semi-naturais e na delineação de corredores ecológicos que fazem a ligação entre essas áreas. Reúne as principais linhas de água e zonas adjacentes; os habitats da Rede Natura 2000 e as áreas de vegetação natural e semi-natural propícias à ocorrência e desenvolvimento das espécies de fauna e flora locais; as áreas com solos de valor ecológico elevado e muito elevado; e a área correspondente ao Monumento Natural das Portas de Ródão. O desenvolvimento do estudo permitiu ainda reconhecer a necessidade de enquadramento e revisão do tema na legislação portuguesa, de modo a evitar divergências na aplicação do conceito e na delimitação da EE nas várias escalas de planeamento. No que respeita à escala local, conclui-se que, sendo a paisagem o objeto primordial a ser ordenado, não poderá existir uma metodologia única, aplicável a todos os municípios para obtenção da EEM, quando estes possuem paisagens com características distintas entre si. No entanto, municípios adjacentes, com características idênticas, devem partilhar a metodologia de delimitação da EEM.
Apresentam-se os principais resultados no âmbito do projecto OTALEX C, designadamente a cartografia referente a vários indicadores ambientais e territoriais para as regiões Alentejo, Extremadura e Centro.
Integração em sistemas de informação geográfica da cartografia da SCN 10k como informação de base para os instrumentos de gestão territorial
Neste trabalho foi desenvolvida uma aplicação na área dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para apoio à exploração e gestão do Aproveitamento Hidroagrícola de Idanha-a-Nova (GestRegaSIG), baseada em conjuntos e serviços de dados geográficos. Esta aplicação permite o acesso, fácil e personalizado, a toda a informação gráfica e alfanumérica relativa ao aproveitamento, nas componentes de visualização, consulta, edição e produção de mapas e relatórios.
O projeto OTALEX C, cofinanciado pelo Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha Portugal (POCTEP), vem na sequência de uma série de projetos de cooperação transfronteiriça cujo objetivo principal tem sido a permuta de informação sobre estes territórios numa perspetiva de planeamento e gestão territorial concertados entre as administrações locais, regionais e nacionais dos dois países. Neste contexto criou-se em 2007 a primeira Infraestrutura de Dados Espaciais transfronteiriça entre Portugal e Espanha, a IDE-OTALEX (www.ideotalex.eu), que constituiu o Observatório Territorial e Ambiental Alentejo e Extremadura, ao qual em 2011 se incorporou a região Centro de Portugal. Um dos trabalhos de base para a constituição da IDEOTALEX e para a criação de um sistema de indicadores para a monitorização do desenvolvimento nessa vasta área, que no total das três regiões abrange cerca de 92500 km2, foi o desenvolvimento de uma metodologia que permitisse a harmonização dos dados entre as diversas regiões e que ao mesmo tempo estivesse de acordo com a Diretiva INSPIRE. Esta metodologia assentou em dois pilares fundamentais: harmonização das bases cartográficas (sistemas de referência, escalas espacial e temporal) e harmonização de indicadores (definição semântica, caracterização de indicadores, expressão espacial, atualização).
A modelação da tendência espacial do bosque à escala regional baseada na cartografia actual local, teve como objectivo estabelecer padrões possíveis para a gestão equilibrada do bosque e da implantação de novos cerejais.
O relatório apresenta os principais resultados obtidos pela equipa do IPCB integrada no projeto POCI/AGR/59180/2004. As tarefas desenvolvidas incluíram: (1) a inventariação de informação relativa aos solos e vegetação nas áreas em estudo, correspondentes às bacias hidrográficas do Caratão, Carvoeiro e Quebradas (município de Mação); (2)a análise estatística da informação coligida; e (3) a respetiva representação espacial das variáveis em estudo.
Comunicação oral apresentada à IX Conferência Iberoamericana de SIG, VII Congreso Nacional de la AESIG e II Reunion del GMCSIGT, que decorreu em Cáceres de 24 a 26 de Setembro de 2003 sobre o tema "De lo local a lo global: nuevas tecnologias de la información geográfica para el desarrollo".
As áreas com risco de erosão hídrica do solo são as que, devido às combinações das características da topografia, do solo, do coberto vegetal, estão potencialmente sujeitas a uma taxa perda de solo, por acção conjunta da chuva e do escoamento superficial, que excede a taxa de formação do solo. A erosão hídrica e o escoamento superficial são processos complexos e dependem de uma multiplicidade de factores que variam no tempo e no espaço. As áreas com elevado risco de erosão hídrica do solo constituem uma tipologia que integra a da Reserva Ecológica Nacional (REN). O objectivo do estudo foi delimitar as áreas com risco de erosão hídrica do solo com vista à sua integração na REN do Município de Mêda. A metodologia deste estudo baseia-se na aplicação do modelo da Equação Universal de Perda de Solo (EUPS) e na modelação espacial da erosão hídrica através de Sistemas de Informação Geográfica (SIG). A EUPS tem em consideração os seguintes factores: topográfico, erodibilidade do solo, erosividade da precipitação, cobertura do solo e respectivas práticas culturais. Os processos de modelação geográfica foram desenvolvidos sobre os seguintes dados geográficos: altimetria e hidrografia da Carta Militar de Portugal (Instituto Geográfico do Exército), manchas de solos da Carta de Solos do Nordeste Transmontano (Universidade de Trás os Montes e Alto Douro), ocupação de solo (Instituto Geográfico Português) e estações meteorológicas (Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos). Os SIG permitiram a integração e sobreposição dos diferentes níveis de informação de forma a calcular através de álgebra de mapas o mapa de erosão hídrica do solo. Na REN foram integradas as zonas que apresentam um risco elevado de erosão. As áreas de elevado risco de erosão hídrica do solo ocupam 7934 ha e representam 28% da superfície do município.
Este estudo tem como objectivo identificar a relação existente entre as comunidades de aves que nidificam em diferentes sub-regiões da zona interior centro de Portugal (Beira Interior Sul, Beira Interior Norte, Pinhal Interior Sul, Pinhal Interior Norte e Cova da Beira) e a composição e estrutura da paisagem desse território. Foram identificadas um conjunto de métricas espaciais que caracterizem a estrutura da paisagem, bem como as tipologias fisionómicas de habitat passíveis de influenciar a distribuição das comunidades de passeriformes nidificantes. A informação geográfica relativa à ocupação do solo foi processada através do programa ArcGIS 9.3.1, com recurso à extensão Patch Analyst. A rugosidade do terreno foi calculada com base na altitude obtida a partir do Modelo Digital do Terreno (MDT), através da extensão Land Facet Corridor Tools. Os dados resultantes foram cruzados com a informação recolhida do Atlas das Aves Nidificantes em Portugal (Equipa Atlas, 2008), através de Análise Canónica de Correspondências (ACC). Os resultados deste estudo mostram que as sub-regiões do interior centro apresentam locais com uma riqueza específica elevada, com mais de 40 espécies de passeriformes a nidificarem numa quadrícula de território, embora se verifique a existência de zonas com menos de 6 espécies. Estes valores muito distintos podem ser explicados por diversos factores como o zonamento do território, em que se distingue um sector com clara dominância florestal e menor disponibilidade de nichos ecológicos, de um sector com maior heterogeneidade e proporcionalidade de ocupações do solo, permitindo a existência de mais nichos ecológicos para as diferentes espécies de aves. Os resultados da ACC, mostram ainda que as tipologias de ocupação do solo com maior influência positiva na riqueza da avifauna, neste território, são as pastagens e as culturas temporárias. As quadrículas onde predominam florestas de resinosas são as que apresentam valores de riqueza específica mais baixos. Da análise da estrutura destes territórios fica também demonstrada a importância de incluir índices de rugosidade do terreno, porque esta opção permitiu melhorar a explicação da variação total.
O projeto OTALEX C, cofinanciado pelo Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha Portugal (POCTEP), vem na sequência de uma série de projetos de cooperação transfronteiriça cujo objetivo principal tem sido a permuta de informação sobre estes territórios numa perspetiva de planeamento e gestão territorial concertados entre as administrações locais, regionais e nacionais dos dois países. Neste contexto, em 2007 criou-se a primeira Infraestrutura de Dados Espaciais transfronteiriça entre Portugal e Espanha, a IDE-OTALEX (www.ideotalex.eu), que constituiu o Observatório Territorial e Ambiental Alentejo e Extremadura, ao qual se incorporou, em 2011, a região Centro de Portugal. Neste projeto foram desenvolvidos 61 indicadores, distribuídos por quatro vetores (territorial, ambiental, social e económico), a partir de distintas fontes de informação, que vão servir de base ao vetor de sustentabilidade. No presente estudo consideraram-se os 77 municípios integrados na área de jurisdição da CCDR Centro. Nesta região verificam-se assimetrias correspondentes a diferentes níveis de desenvolvimento económico e social. Deste modo existe a necessidade de identificar áreas homogéneas que, face às suas características de desenvolvimento, sejam passíveis de medidas idênticas de planeamento territorial. Os diferentes municípios da região Centro foram agregados com recurso a uma metodologia de análise de clusters, no sentido de encontrar uma homogeneidade socioeconómica. Para tal, selecionou-se um conjunto de indicadores desenvolvidos no âmbito do projeto OTALEX C. Os resultados obtidos permitiram classificar os municípios em diferentes graus de desenvolvimento.
O trabalho tem como objectivo identificar a relação existente entre as comunidades de aves que nidificam na sub-região Beira Interior  Sul e  a estrutura da paisagem. Identificou‐se um conjunto  de  métricas  espaciais  que  caracterizem  a  estrutura  da  paisagem,  bem  como  as tipologias fisionómicas  de habitat passíveis de influenciar a distribuição das comunidades de passeriformes  nidificantes.  A  informação referente  à  ocupação  de solo  foi  processada  no  programa  ArcGIS  9.3.1,  com  recurso  à  extensão  Patch  Analyst.  Os  dados  resultantes,juntamente com a informação referente às aves nidificantes, foram posteriormente analisadosatravés de Análise Canónica de Correspondências (ACC) e de Análise Classificativa (AC). Os resultados deste estudo  mostram que a Beira Interior Sul apresenta locais com uma riqueza específica significativa no que diz respeito  às  comunidades  de  passeriformes  nidificantes,embora os resultados obtidos não sejam  idênticos para toda a sub-região. Os resultados da ACC,  mostram  que  as  tipologias  fisionómicas  de  habitat  têm  uma  grande  influência  na distribuição das comunidades avifaunísticas. A análise classificativa permitiu complementar a análise ACC, permitindo identificar tipologias fisionómicas importantes, em que predominam os estratos arbóreo e arbustivo, cujos  resultados estão em conformidade com os grémios de alimentação e nidificação  identificados  para as espécies estudadas.
O estudo teve como objectivo identificar a relação existente entre as comunidades de aves que nidificam na sub-região Beira Interior Sul (BIS) e a estrutura e composição da paisagem desse território. Procurou-se, igualmente, verificar a importância da rugosidade do terreno na distribuição destas comunidades. Foi também objectivo deste estudo identificar um conjunto de métricas espaciais que caracterizem a estrutura da paisagem, bem como as tipologias fisionómicas de habitat passíveis de determinar a distribuição das comunidades de passeriformes nidificantes. A informação referente à ocupação do solo foi processada no programa ArcGIS 9.3.1, com recurso à extensão Patch Analyst. A informação relativa à rugosidade do terreno foi analisada através extensão da Land Facet Corridor Tools. Os dados resultantes, juntamente com a informação referente às aves nidificantes, foram posteriormente analisados através de Análise Canónica de Correspondências (ACC) e de Análise Classificativa (AC). Os resultados mostram que a BIS apresenta locais com uma riqueza específica significativa no que diz respeito às comunidades de passeriformes nidificantes, embora os resultados obtidos não sejam idênticos para toda a sub-região. O valor de 11,7, correspondente à riqueza específica média é razoável, mas apresenta um desvio padrão de 5,2, que expressa essa realidade. Este facto pode ser explicado por diversos factores como o zonamento do território, em que se distingue um sector oeste mais homogéneo, com clara dominância florestal e menor disponibilidade de nichos ecológicos, de um sector este com maior heterogeneidade e proporcionalidade de ocupações do solo, permitindo a existência de mais nichos ecológicos para as diferentes espécies de aves. Os resultados da ACC, embora mostrem a importância da estrutura da paisagem na distribuição dos passeriformes nidificantes, ao explicar 16% da variação total, demonstraram que na BIS, a ocupação do solo é um factor mais relevante, na medida em que explica 37% da variação total. Foi também demonstrada a importância de incluir índices de rugosidade da superfície do terreno, porque esta opção permitiu melhorar a explicação da variação total da estrutura da paisagem em 5%. A análise classificativa permitiu a identificação de tipologias fisionómicas importantes em que predominam os estratos arbóreo e arbustivo, cujos resultados estão em conformidade com os grémios de alimentação e nidificação identificados para as aves estudadas.
A Infraestrutura de Dados Espaciais transfronteiriça entre Portugal e Espanha (IDE-OTALEX), associada ao projeto OTALEX C, que constitui o Observatório Territorial e Ambiental Alentejo-Extremadura-Centro, tem desenvolvido uma série de indicadores, distribuídos por quatro vetores (territorial, ambiental, social e económico), que servem de base ao vetor de sustentabilidade. No estudo apresentado consideraram-se os 77 municípios integrados na área de jurisdição da CCDR Centro. Nesta região verificam-se assimetrias correspondentes a diferentes níveis de desenvolvimento económico e social. Deste modo houve a necessidade de identificar áreas homogéneas que, face às suas características de desenvolvimento, sejam passíveis de medidas idênticas de planeamento territorial. Com o objetivo de efetuar o agrupamento dos municípios em níveis similares de desenvolvimento socioeconómico, aplicou-se a análise de clusters às variáveis socioeconómicas de cada município. Procedeu-se, ainda, à realização de análises de autocorrelação espacial aplicadas aos temas vetoriais, com o objetivo de agrupar os municípios com base na proximidade dos valores.
No âmbito do projecto POCI/AGR/59180/2004 procedeu-se a uma caracterização da composição das comunidades vegetais a uma escala pormenorizada, com especial incidência no estudo das espécies arbóreas e arbustivas, de modo a contribuir para a elaboração de uma metodologia de análise espacial para integração de diferentes variáveis com influência na quantidade e qualidade dos recursos hídricos.
The Multicriteria decision analysis is a tool to support decision-making in the identification of areas with the utmost beekeeping potential. This paper design a GIS multicriteria approach to assess the beekeeping potential. The development of a conceptual model structure requires the participation of stakeholders and experts in that process. The spatial Multicriteria Decision Analysis (MCDA) allowed defining the potential beekeeping map. The resulting maps can be used by the beekeepers associations to easily select the more suitable areas for the apiaries location or relocation and avoid prohibited areas by legal requirements.
Os grandes incêndios florestais têm sido o fenómeno com mais impacte na perturbação dos espaços florestais. A modelação do comportamento e desenvolvimento espacial de uma frente de fogo contribui para melhorar as decisões de localização de infra-estruturas de apoio à supressão de incêndios florestais.
Com a constituição da Euroregião EUROACE, houve a necessidade de ampliar o âmbito territorial do Observatório Territorial Alentejo-Extremadura (OTALEX), de forma a incluir a região Centro. Assim, surgiu o Observatório Territorial Alentejo-Extremadura-Centro (OTALEX C), possibilitando a integração da informação produzida pelas diversas instituições que desenvolvem as suas competências nestas três regiões. Nesse sentido a Infraestrutura de Dados Espaciais IDE-OTALEX passou a abranger todo o território da Euroregião EUROACE, com o IPCB a constituir-se como nó local, tendo como objetivo a monitorização e análise de alterações decorrentes de fenómenos naturais e da atividade humana sobre o território, bem como a disponibilização de dados e Indicadores aos agentes que atuam nesse território. O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) juntou-se, desta modo, ao grupo de trabalho consolidado em projetos anteriores (GEOALEX, OTALEX e OTALEX II), contribuindo com o conhecimento e os dados do seu território, necessários para esta ampliação de âmbito geográfico. De modo a completar os Dados e Indicadores (territoriais, ambientais, socioeconómicos e de sustentabilidade), especialmente os correspondentes à região Centro mas também os correspondentes a toda a área de atuação da EUROACE, foram desenvolvidos trabalhos de pesquisa e de tratamento de informação. De entre os trabalhos realizados no processo de compatibilização e atualização de informação, destacam-se: a recolha, análise e tratamento de dados alfanuméricos, no âmbito do grupo de trabalho “Dados e indicadores”; e a elaboração de cartografia para a região Centro e para a área OTALEX C, adstrita ao grupo de trabalho de “WebGIS”. A informação conjunta disponível na IDE-OTALEX, obtida para as três regiões, passou ainda por processos de harmonização, tanto a nível gráfico como alfanumérico, de modo a permitir a criação de bases cartográficas contínuas para a totalidade da área.
Forest fires and forest biodiversity are related issues of major concern in Mediterranean countries and require an integrated approach to landscape planning. The aim of this study was to develop a GIS approach for regulating forest production while promoting landscape diversity and mitigating fire hazard. A study area located in the centre of Portugal was chosen. The area was primarily occupied by maritime pine and had a high fire hazard, low tree species diversity and an extensive protection area. The classical area control method was used to assist in forest production regulation. Species suitability maps were produced for 21 recommended species for afforestation in the study area. Maritime pine management compartments were defined, and a 50-year harvesting plan was proposed. In each harvested compartment, protection areas were identified for species conversion (e.g., native oaks and/or broadleaves). Afforestation species were proposed according to the species suitability maps produced earlier. Low flammability species that produce high-quality wood, non-wood products and landscape enhancement were preferred. A comparison of the land cover in the study area in 2007 to that anticipated in 2064 via the proposed plan showed that a more fragmented landscape structure could be achieved by introducing 16 species of lower flammability than maritime pine into the study area. This study proved the usefulness of this methodological approach for guiding sustainable changes in homogeneous, unmanaged forest landscapes prone to fire. Further research is needed regarding integrated planning approaches that incorporate environmental, economic and social dimensions (e.g., human desertification of rural areas).
Com a constituição da Euroregião EUROACE, houve a necessidade de ampliar o âmbito territorial do Observatório Territorial Alentejo-Extremadura (OTALEX), de forma a incluir a região Centro. Assim, surgiu o Observatório Territorial Alentejo-Extremadura-Centro (OTALEX C), possibilitando a integração da informação produzida pelas diversas instituições que desenvolvem as suas competências nestas três regiões. Nesse sentido a Infraestrutura de Dados Espaciais IDE-OTALEX passou a abranger todo o território da Euroregião EUROACE, com o IPCB a constituir-se como nó local, tendo como objetivo a monitorização e análise de alterações decorrentes de fenómenos naturais e da atividade humana sobre o território, bem como a disponibilização de dados e Indicadores aos agentes que atuam nesse território. O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) juntou-se, desta modo, ao grupo de trabalho consolidado em projetos anteriores (GEOALEX, OTALEX e OTALEX II), contribuindo com o conhecimento e os dados do seu território, necessários para esta ampliação de âmbito geográfico. De modo a completar os Dados e Indicadores (territoriais, ambientais, socioeconómicos e de sustentabilidade), especialmente os correspondentes à região Centro mas também os correspondentes a toda a área de atuação da EUROACE, foram desenvolvidos trabalhos de pesquisa e de tratamento de informação. De entre os trabalhos realizados no processo de compatibilização e atualização de informação, destacam-se: a recolha, análise e tratamento de dados alfanuméricos, no âmbito do grupo de trabalho “Dados e indicadores”; e a elaboração de cartografia para a região Centro e para a área OTALEX C, adstrita ao grupo de trabalho de “WebGIS”. A informação conjunta disponível na IDE-OTALEX, obtida para as três regiões, passou ainda por processos de harmonização, tanto a nível gráfico como alfanumérico, de modo a permitir a criação de bases cartográficas contínuas para a totalidade da área.
Forest fires and forest biodiversity are related issues of major concern in Mediterranean countries and require an integrated approach to landscape planning. The aim of this study was to develop a GIS approach for regulating forest production while promoting landscape diversity and mitigating fire hazard. A study area located in the centre of Portugal was chosen. The area was primarily occupied by maritime pine and had a high fire hazard, low tree species diversity and an extensive protection area. The classical area control method was used to assist in forest production regulation. Species suitability maps were produced for 21 recommended species for afforestation in the study area. Maritime pine management compartments were defined, and a 50-year harvesting plan was proposed. In each harvested compartment, protection areas were identified for species conversion (e.g., native oaks and/or broadleaves). Afforestation species were proposed according to the species suitability maps produced earlier. Low flammability species that produce high-quality wood, non-wood products and landscape enhancement were preferred. A comparison of the land cover in the study area in 2007 to that anticipated in 2064 via the proposed plan showed that a more fragmented landscape structure could be achieved by introducing 16 species of lower flammability than maritime pine into the study area. This study proved the usefulness of this methodological approach for guiding sustainable changes in homogeneous, unmanaged forest landscapes prone to fire. Further research is needed regarding integrated planning approaches that incorporate environmental, economic and social dimensions (e.g., human desertification of rural areas).
"Os Sistemas de Informação Geográfica (SIG), podem ser considerados, sob o ponto de vista da sua funcionalidade, como um conjunto de ferramentas, para a recolha, armazenamento, organização e selecção, transformação e representação da informação de natureza espacial do 'mundo real', para um determinado conjunto de circunstâncias" (Burrough, 1986). A informação geográfica é fundamentalmente produzida e utilizada em ambiente desktop fechado, ou seja, confinado a apenas alguns utilizadores. No entanto, existem vantagens em tornar estes sistemas mais abertos, ou seja, para evitar a repetição de tarefas já efectuadas, é possível publicar “on-line” cartografia para que outros a possam utilizar como base para outros estudos. A disponibilização de informação geográfica nem sempre é pacífica porque a sua produção envolveu custos e também têm direitos de propriedade. A Internet surge como um importante meio, para que dados geográficos possam ser visualizados em qualquer computador, desde que este tenha ligação àWEB. Desta forma, surge o termo WebSIG. Os WebSIG (ou Web-Mapping) não são simples modos de representar cartografia temática na Internet. Estes permitem, também, a disponibilização de ferramentas de consulta, edição e análise da informação geográfica. O estudo desenvolvido tem os seguintes objectivos: • Indicar os procedimentos para instalação e utilização do software ArcIMS; • Criar serviços de visualização, extracção de informação e edição on-line; • Planeamento e criação de um WEB site (Regadio da Cova da Beira – Bloco C42) para disponibilização dos serviços criados; • Planeamento e criação de um WEB site (Faixa de combustíveis – Idanha-a-Nova).
Este estudo tem como objectivo a aplicação de uma metodologia para a delimitação da REN do concelho de Nisa, baseada em Sistemas de Informação Geográfica (SIG) e sua comparação com a REN legalmente aprovada.
Esta publicação reúne os resumos das comunicações apresentadas no IV Encontro de Sistemas de Informação Geográfica, sob a forma de comunicações orais e pósteres e inclui, ainda, o programa científico do encontro.
A gestão eficaz da actividade apícola de uma região só é possível se existir um mecanismo de ordenamento dessa mesma actividade. Por outro lado, os Sistemas de Informação Geográfica são uma ferramenta indispensável para o planeamento e gestão do território. Os Concelhos do Crato e de Portalegre, apresentam boas condições edafo-climáticas para a prática apícola, apresentando uma floração sucessiva e diversificada, o que conduz à riqueza da flora melífera na região e à produção de um mel de excelente qualidade. A área de estudo encontra-se na zona Controlada sob gestão da Apilegre – Associação dos Apicultores do Nordeste do Alentejo. Neste contexto, pretende-se integrar os parâmetros biofísicos, através de uma metodologia de análise espacial, para elaborar uma carta de potencial apícola, identificar possíveis conflitos na localização geográfica de apiários e ainda representar a distribuição espacial da ocorrência de doenças nas colmeias. As cartas de zonas com potencial apícola e as zonas interditas são elementos importantes no apoio ao ordenamento apícola. Neste estudo foram identificados nove apiários em zona interdita.
A publicação contém os resumos das comunicações e dos pósteres apresentados no III Encontro de Sistemas de Informação Geográfica.
Com a constituição da Euroregião EUROACE, houve a necessidade de ampliar o âmbito territorial do Observatório Territorial Alentejo-Extremadura (OTALEX), de forma a incluir a região Centro. Assim, surgiu o Observatório Territorial Alentejo-Extremadura-Centro (OTALEX C), possibilitando a integração da informação produzida pelas diversas instituições que desenvolvem as suas competências nestas três regiões. Neste sentido, a Infraestrutura de Dados Espaciais (IDE-OTALEX) passou a abranger todo o território da Euroregião EUROACE, com o IPCB a constituir-se como nó local, tendo como objetivo a monitorização e análise de alterações decorrentes de fenómenos naturais e da atividade humana sobre o território, bem como a disponibilização de dados e indicadores aos agentes que atuam neste território. O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) juntou-se, deste modo, ao grupo de trabalho consolidado em projetos anteriores (GEOALEX, OTALEX e OTALEX II), contribuindo com o conhecimento e os dados do seu território, necessários para esta ampliação de âmbito geográfico. A informação conjunta que integra o Sistema de Indicadores (SI-OTALEX) e que está disponível na IDE-OTALEX, obtida para as três regiões, passou ainda por processos de harmonização, tanto a nível gráfico como alfanumérico, de modo a permitir a criação de bases cartográficas contínuas para a totalidade da área.
Com a constituição da Euroregião EUROACE, houve a necessidade de ampliar o âmbito territorial do Observatório Territorial Alentejo-Extremadura (OTALEX), de forma a incluir a região Centro. Assim, surgiu o Observatório Territorial Alentejo-Extremadura-Centro (OTALEX C), possibilitando a integração da informação produzida pelas diversas instituições que desenvolvem as suas competências nestas três regiões. Nesse sentido a Infraestrutura de Dados Espaciais IDE-OTALEX passou a abranger todo o território da Euroregião EUROACE, com o IPCB a constituir-se como nó local, tendo como objetivo a monitorização e análise de alterações decorrentes de fenómenos naturais e da atividade humana sobre o território, bem como a disponibilização de dados e Indicadores aos agentes que atuam nesse território. O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) juntou-se, deste modo, ao grupo de trabalho consolidado em projetos anteriores (GEOALEX, OTALEX e OTALEX II), contribuindo com o conhecimento e os dados do seu território, necessários para esta ampliação de âmbito geográfico. De modo a completar os Dados e Indicadores (territoriais, ambientais, socioeconómicos e de sustentabilidade), especialmente os correspondentes à região Centro mas também os correspondentes a toda a área de atuação da EUROACE, foram desenvolvidos trabalhos de pesquisa e de tratamento de informação. De entre os trabalhos realizados no processo de compatibilização e atualização de informação, destacam-se: a recolha, análise e tratamento de dados alfanuméricos e geográficos, no âmbito do grupo de trabalho “Dados e indicadores”; e a elaboração de cartografia para a região Centro e para a área OTALEX C, adstrita ao grupo de trabalho de “WebGIS”. A informação conjunta disponível na IDE-OTALEX, obtida para as três regiões, passou ainda por processos de harmonização, tanto a nível gráfico como alfanumérico, de modo a permitir a criação de bases cartográficas contínuas para a totalidade da área. Foram ainda desenvolvidos um conjunto de estudos parcelares para o território da região Centro, designadamente a definição de áreas homogéneas de desenvolvimento com recurso a ferramentas de estatística espacial e a categorização de unidades de paisagem com base na agregação de um conjunto de métricas representativas da configuração geométrica do uso.
É consensual que a escolha de usos mais adequados às aptidões edafo-climáticas, complementada com critérios socioeconómicos, promove uma utilização sustentável dos espaços rurais. Existem, no entanto, diferentes metodologias utilizadas para a definição da aptidão do solo para a implementação de usos agroflorestais ou para a manutenção de ecossistemas seminaturais, nomeadamente culturas agrícolas, povoamentos florestais, territórios agro-silvo-pastoris e áreas prioritárias para a conservação da natureza. Muitas dessas metodologias recorrem a sistemas de apoio à decisão, baseados na análise espacial multicritério. Neste estudo pretendeu-se determinar os diferentes níveis de aptidão para usos agrícolas, florestais e sistemas de uso múltiplo para a região Centro de Portugal. Para o efeito recorreu-se a um conjunto de variáreis edáficas e topográficas, tendo como base um modelo digital do terreno, cartografia de solos e cartografia fitossociológica e biogeográfica. A avaliação da aptidão foi efetuada com recurso ao método de análise espacial multicritério Analytical Hierachy Process (AHP).
A constituição da Eurorregião EUROACE tornou necessário ampliar o âmbito territorial do Observatório Territorial Alentejo-Extremadura (OTALEX), de forma a incluir a região Centro. Assim, surgiu o Observatório Territorial Alentejo-Extremadura-Centro (OTALEX C), possibilitando a integração da informação produzida pelas diversas instituições que desenvolvem as suas competências nestas três regiões. A Infraestrutura de Dados Espaciais IDE-OTALEX passou a abranger todo o território da Eurorregião EUROACE, com o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) a constituir-se como nó local do Centro, tendo como objetivo a monitorização e análise de alterações decorrentes de fenómenos naturais e da atividade humana sobre o território, bem como a disponibilização de dados e indicadores aos agentes que atuam nesse território. O IPCB contribuiu com a recolha, o tratamento, a organização, e a análise de dados espaciais da região Centro, necessários para esta ampliação de âmbito geográfico. Deste modo foram produzidos dados e indicadores territoriais, ambientais, socioeconómicos e de sustentabilidade. Estes dados espaciais foram integrados no nó local da região Centro através da tecnologia ArcGIS Server permitindo a publicação de serviços e a sua gestão em serviços OGC - Open Geospatial Consortium, que correspondem aos formatos standard utilizados no SIO WFS (Web Feature Service) e WMS (Web Map Service). Foram ainda desenvolvidos um conjunto de estudos parcelares no território da região Centro, nos domínios da análise da paisagem, da avaliação do território, e da monitorização e avaliação do risco de inundação.
Contém referências bibliográficas
Contém referências bibliográficas
Contém referências bibliográficas
Contém referências bibliográficas
Poster apresentado no II Encontro de Sistemas de Informação Geográfica que decorreu de 19 a 20 de Maio de 2011 na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco.
A área OTALEX C – Alentejo-Extremadura-Centro, está a ser caracterizada e monitorizada através de indicadores que se encontram enquadrados sistematicamente através de vetores e temas. Os indicadores permitem ilustrar e comunicar fenómenos complexos de forma mais simples e explicar tendências e evoluções desses mesmos fenómenos ao longo do tempo, possibilitando assim a monitorização de determinada área.
Na área de influência do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva foram verificadas alterações ao nível da paisagem agrícola resultantes da implementação de um sistema de regadio em 3 blocos de rega: Alvito-Pisão, Pisão e Monte Novo. Estas consistem essencialmente no incremento das culturas arvenses de regadio, olival intensivo e vinhas. Este estudo avaliou as consequências das modificações dos padrões de uso do solo nas aves de meios agrícolas (aves estepárias e nas comunidades de outras aves existentes), em dois períodos (2007/2008 e 2010/2011) e em duas épocas do ano, Primavera e Inverno. Para analisar os possíveis efeitos das alterações do uso do solo foi realizada uma análise espacial (ArcGIS Desktop 10.0) e cálculo de métricas da paisagem (FRAGSTATS). Identificaram-se as relações existentes entre as aves de meios agrícolas e os usos de solo utilizando-se a Análise Canónica de Correspondência. Os resultados demonstraram que, no caso concreto das aves estepárias nestes blocos de rega, estas seleccionam preferencialmente áreas extensas e pouco fragmentadas de habitat de sequeiro (culturas arvenses de sequeiro, áreas de pousio e pastagem). Foram usados Modelos Lineares Generalizados para identificar os factores que influenciam a riqueza específica total de aves e a riqueza específica de aves estepárias nos períodos em estudo e nas épocas de Inverno e Primavera. Demonstrou-se que a diversidade total de aves foi influenciada positivamente pelo incremento de água, pela densidade de orla (Inverno), e por áreas pequenas a médias de habitat de sequeiro (Primavera). Verificou-se que, no Inverno, a presença de áreas arbustivas e arbóreas e densidades de orla superiores a 10.000 m/ha influenciam negativamente as aves estepárias. Na época de Primavera, constatou-se que quanto mais extensos forem os habitats de sequeiro maior é a sua importância para a diversidade de aves estepárias. Para conservar os valores naturais da região e assegurar o seu crescimento sócio-económico, é importante a criação de um plano de gestão do território que garanta que as áreas agrícolas preenchem os requisitos ecológicos para as aves estepárias e que favorecem as comunidades de aves existentes.
In 2006, among the cross border project Territorial and Environmental Observatory of Alentejo and Extremadura (OTALEX), Alentejo (Portugal) and Extremadura (Spain) regions decided to use SDI as the geographical information platform to exchange cartography and socioeconomic, environmental and territorial harmonized data between the two regions. Such decision was possible due to previous and successful collaboration between these regions and also with Centro Region of Portugal who join the team in 2011, adding 18 years of common work. During many years we assisted to many problems of data harmonization due to the different data sources and collecting and representing methodologies. In 2007, INSPIRE Directive permitted the simplification of methodologies by introducing a common reference system, data and web services standards that allowed interoperability, interchange and data analysis in a more systematic way. Actually SDI OTALEX C is a modular platform with: (1) Private WEB Portal ­ where partners can manage their own data, services and metadata, defining print templates and geoprocessing models (2) Public WEB Portal (www.ideotalex.eu) with Information about the different cross border cooperation projects, partners and publications INSPIRE standard services view and discover OTALEX C service OTALEX C Indicator System (SIO) ­ with environmental, economic, social territorial and sustainability indicators and OTALEXC ID OTALEX C linked data.
O presente trabalho tem como objetivo identificar a relação existente entre as comunidades de passeriformes que nidificam na região Centro de Portugal e a composição e estrutura da paisagem desse território. Procurou-se, igualmente, verificar a importância da rugosidade do terreno na distribuição destas comunidades. Identificaram-se um conjunto de indicadores espaciais (métricas da paisagem e variáveis morfométricas) que, no seu conjunto, caracterizam a estrutura da paisagem, bem como as tipologias fisionómicas de habitat passíveis de determinar a distribuição das comunidades de passeriformes nidificantes. A informação referente ao uso e ocupação do solo foi processada no programa QGIS, com recurso ao plug-in LecoS. Os dados produzidos, juntamente com a informação referente à presença/ausência das espécies de aves, foram posteriormente submetidos a uma análise estatística multivariada com o intuito de correlacionar a ocorrência das espécies com a estrutura da paisagem e topografia. O desenvolvimento deste trabalho permitiu verificar que, embora seja possível obter resultados para as métricas da paisagem por classes de uso, existem no entanto limitações na obtenção de valores referentes às métricas para a matriz de uso na sua totalidade.
É consensual que a escolha dos usos mais adequados às aptidões edafo-climáticas, complementada com critérios socioeconómicos, promove uma utilização sustentável dos espaços rurais. Existem, no entanto, diferentes metodologias utilizadas para a definição da capacidade e potencialidade do solo para a implementação de usos agroflorestais ou manutenção de ecossistemas naturais e seminaturais, nomeadamente culturas agrícolas, povoamentos florestais, territórios agro-silvo-pastoris e áreas prioritárias para a conservação da natureza. Muitas dessas metodologias recorrem a sistemas de apoio à decisão, baseados na análise espacial multicritério. Neste estudo pretendeu-se determinar os diferentes níveis de aptidão para a utilização agroflorestal no território transfronteiriço que abrange o Alentejo, Extremadura e o Centro (Euro-região EUROACE). Para o efeito recorreu-se a um conjunto de variáveis edáficas e topográficas. Foram igualmente incorporadas as condicionantes legais e a ocupação do solo. A avaliação da aptidão foi efetuada com recurso ao método de análise espacial multicritério Analytic Hierarchy Process (AHP). O resultado obtido com esta metodologia, confrontado com a matriz de uso existente, permite identificar as áreas onde a ocupação e gestão está de acordo com a aptidão do espaço, bem como as áreas onde o uso deverá ser alvo de uma reconversão ou apenas a uma alteração de modo de gestão.
É consensual que a escolha dos usos mais adequados às aptidões edafo-climáticas, complementada com critérios socioeconómicos, promove uma utilização sustentável dos espaços rurais. Existem, no entanto, diferentes metodologias utilizadas para a definição da capacidade e potencialidade do solo para a implementação de usos agroflorestais ou manutenção de ecossistemas naturais e seminaturais, nomeadamente culturas agrícolas, povoamentos florestais, territórios agro-silvo-pastoris, áreas prioritárias para a conservação da natureza. Muitas dessas metodologias recorrem a sistemas de apoio à decisão, baseados na análise espacial multicritério. Neste estudo pretendeu-se determinar os diferentes níveis de aptidão para a utilização agroflorestal no território transfronteiriço OTALEX C (Alentejo-Extremadura-Centro), para o efeito recorreu-se a um conjunto de variáveis edáficas e topográficas. Foram igualmente incorporadas as condicionantes legais e a ocupação do solo. A avaliação da aptidão foi efetuada com recurso ao método de análise espacial multicritério Analytic Hierarchy Process (AHP). O resultado obtido com esta metodologia, confrontado com a matriz de uso existente, permite identificar as áreas onde a ocupação e gestão está de acordo com a aptidão do espaço, bem como as áreas onde o uso deverá ser alvo de uma reconversão ou apenas a uma alteração de modo de gestão.
Encuadrado dentro del ámbito de los proyectos INTERREG España-Portugal, y financiado con fondos FEDER del programa POCTEP, el proyecto OTALEX C (Observatorio Territorial y Ambiental Alentejo Extremadura Centro) aborda del estudio de diversos indicadores territoriales, socioeconómicos y ambientales. Siendo el objetivo fundamental, de dicho proyecto, desarrollar un geoportal accesible, a través de internet, para cualquier persona de forma que la información contenida en él sea útil en la toma de decisiones relacionadas con los usos del suelo y, por tanto, con el desarrollo sostenible del medio. Bajo este marco general a lo largo de los últimos quince años se han vendido desarrollando distintos proyectos que han ido abordando desde la estandarización de datos entre Portugal y España, pasando por diseños de sistemas SIG, continuando con desarrollo de modelos territoriales y sistemas de indicadores, para culminar en lo que hoy es la Infraestructura de Datos Espaciales IDE-OTALEXC. Palabras clave: SIG, teledetección, IDE, indicadores territoriales, indicadores socioeconómicos, indicadores ambientales, cooperación transfronteriza.
Comunicação apresentada no Seminário sobre Águas Subterrâneas, organizado pela Associação Portuguesa de Recursos Hídricos, que decorreu de 1 a 2 de Março de 2007 em Lisboa.
No Projecto POCI/AGR/59180/2004, concluído em 2009 (cf. Lobo-Ferreira et al., 2009), apresenta-se uma metodologia para avaliação quantitativa dos impactos dos fogos florestais na quantidade e qualidade das águas superficiais e subterrâneas. Nesta metodologia procura-se avaliar as alterações que possam ter ocorrido após o fogo: (A) em volumes de recarga, (B) volumes de escoamento superficial, (C) qualidade das águas superficiais e subterrâneas. Esta metodologia considera: (1) tipo e densidade de coberto vegetal à data do incêndio; (2) tipos de poluentes que podem ser libertados pelas diferentes comunidades vegetais afectadas pelo fogo; (3) extensão e volume do aquífero e sua porosidade eficaz, para aferir dos volumes de reservas de água; (4) recarga média anual; (5) tempo de permanência das águas no sistema subterrâneo. Para a avaliação do tipo e densidade de coberto vegetal e consequente biomassa combustível à data do incêndio usou-se a inventariação fitossociológica, cartografia da vegetação, análise estatística multivariada e estimativa da biomassa florestal ardida, realizada pelo Instituto Politécnico de Castelo Branco-Escola Superior Agrária. Os tipos e cargas poluentes libertados calcularam-se com base nos valores de biomassa ardida e estudos (realizados por INETI – Departamento de Engenharia Energética e Controlo Ambiental) de cinzas de ensaios de combustão de espécies florestais e arbustivas representativas do coberto vegetal ardido, e ensaios de lixiviação de solos e cinzas. A avaliação das variações na recarga baseou-se na informação recolhida nos estudos quantitativos realizados na bacia de Manteigas, associada a modelos hidrológicos conceptuais e cenários de variação de escoamento e evapotranspiração quando a informação não era suficiente para colmatar as lacunas de conhecimento. Com base na biomassa ardida, características composicionais das suas cinzas e potenciais de lixiviação, calculou-se a quantidade e tipo de poluentes em fase sólida e dissolvida passíveis de entrar nas águas superficiais e subterrânea. As características hidráulicas dos meios geológicos afectados deram os volumes de armazenamento e as prováveis velocidades de circulação nestes materiais, o que serviu para prever espaços temporais de contaminação da área. Da avaliação dos volumes de carga poluente calculados e dos dados de campo de decaimento destas cargas poluentes nas águas superficiais e subterrâneas em zonas de coberto vegetal similar estabeleceram-se cenários possíveis do tempo de desaparição do poluente na área ardida. Nesta comunicação realçam-se os aspectos relacionados com a qualidade das águas subterrâneas.
O relatório apresenta os trabalhos desenvolvidos no âmbito do Projeto POCI/AGR/59180/2004 entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2007. O relatório organiza-se pela descrição das seguintes tarefas: T1 – Selecção das áreas de estudo; T2 – Caracterização agro-florestal; T3 – Caracterização de cinzas e testes laboratoriais de combustão; T4 – Modelação do ciclo hidrológico e caracterização da qualidade da água; T5 – Coordenação e integração.
O relatório apresenta os trabalhos desenvolvidos no âmbito do Projecto desde a data do seu início, em 1 de Maio de 2005, até 31 de Dezembro de 2005, num total de 8 meses de decurso do Projecto. O relatório organiza-se pela descrição das seguintes tarefas a desenvolver: T1 – Selecção das áreas de estudo; T2 – Caracterização agro-florestal; T3 – Caracterização de cinzas e testes laboratoriais de combustão; T4 – Modelação do ciclo hidrológico e caracterização da qualidade da água; T5 – Coordenação e integração.
São apresentados indicadores desenvolvidos no âmbito do projeto OTALEX C, relativos à Sustentabilidade Territorial, mais concretamente com a acessibilidade espacial, designadamente indicadores de acesso em tempos mínimos a serviços básicos sanitários (centros de saúde, hospitais, residências de idosos e centros de dia) e educativos (escolas, estabelecimentos de ensino secundário e superior), bem como a núcleos de população de hierarquia superior (cidades com mais de 20000, 50000 e 200000 habitantes). Estes indicadores serão incorporados à bateria de indicadores de sustentabilidade do projeto OTALEX C.
Natural hazards and correlated risks fill worldwide headlines raising both public and governmental concern. Though only major impacts reach the national headlines, locally many regions are already experiencing hands-on the effects of climate change by means of droughts, heatwaves, floods, forest fires, among others. The loss of lives and the considerable cost to the public revenue led to the decree of new representative offices and branches of crisis and civil protection. Facing a new public and scientific information demand for new data and above all solutions for such pertinent issues, the Polytechnic of Tomar proposes CLIMRisk ’Climate change adaptation measures in the management of natural and environmental risks’ as a starting point to a new integrated line of research where all variables alike will be addressed, studied and interpreted in a geographical database (geodatabase). The consortium encompasses both in scientific research relevance and geographical coverage the institutions: Polytechnics of Tomar, Leiria and Castelo Branco; the Municipalities of Our´em and Ferreira do Zˆezere; and the Civil Protection and Forestry bureaus. The CLIMRisk project focuses on a specific transitional area (NUTS II), strategically located between the southern plains and the northern mountainous area, which intrinsically experiences the influence of the complete set of risks characteristic to both regions. Building upon the published research and the technical ability of the created consortium, CLIMRisk proposes the integrated study of climate, coastal areas, rivers, forestry, and biological variables, associated risks, thus building upon the created knowledgebase to propose useable tailor made adaptation measures. The outputs of the project clearly benefit the scientific community and inherent educational mainstreaming, whereas directly targeting organizations dealing with the general public, and environmental education. Furthermore, is of utmost relevance for policymakers, decision-makers, and stakeholders, as a valuable tool in developing suitable adaptation measures, which hopefully will reduce their harmful effects at a regional scale.
A harmozanização de dados entre dois países é sempre uma tarefa complicada por diversas razões. Quer seja pelas diferentes fontes, sistemas de coordenadas, linguagens ou modelos de dados utilizados, a concertação da informação existente entre três regiões como são o Alentejo e Centro, de Portugal, e a Extremadura de Espanha, tem sido um dos objetivos principais da parceria constituída no projeto OTALEX C. Esta harmonização é essencial para uma planificação conjunta dos territórios que se encontram junto à fronteira. Apresentam-se assim as bases metodológicas para a harmonização de dados gráficos e alfanuméricos entre o Alentejo, a Extremadura e o Centro, desenvolvida ao longo dos projetos GEOALEX, OTALEX, OTALEX II e OTALEX C, as quais permitiram a criação de bases cartográficas contínuas e de indicadores ambientais e socio-económicos para a totalidade da área e disponíveis na IDE-OTALEX. Identificam-se ainda as dificuldades e constrangimentos na compatibilização e atualização da informação.
Mapa Base da Euroregião Alentejo-Centro_Extremadura (EUROACE). Escala 1:500.000. Sistema geodésico de referência ETRS-89. Sistema cartográfico de representação: Projeção UTM, fuso 29.
A obra é constituída pelos resumos das comunicações apresentadas pelos docentes da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco e são referentes aos projetos de investigação nos quais estão envolvidos.
Em 2007 criou-se a primeira Infraestrutura de Dados Espaciais transfronteiriça entre Portugal e Espanha (IDE-OTALEX - www.ideotalex.eu), que constituiu o Observatório Territorial e Ambiental Alentejo e Extremadura, ao qual se incorporou, em 2011, a região Centro de Portugal, que no total abrange uma superfície de 92.500 km2. Assim, surgiu o Observatório Territorial Alentejo-Extremadura-Centro (OTALEX C), possibilitando a integração da informação produzida pelas diversas instituições que desenvolvem as suas competências de planeamento e gestão territorial, nestas três regiões. Tem como objetivo a monitorização e análise de alterações decorrentes de fenómenos naturais e da atividade humana sobre o território, bem como a disponibilização de dados e indicadores aos agentes que atuam neste território, foi desenvolvido um sistema de indicadores comuns, distribuídos por cinco vetores (territorial, ambiental, social, económico e de sustentabilidade). Os dados sofreram trabalhos de homogeneização e estandardização antes de serem integrados tendo em vista facilitar a visualização de mapas, consulta de topónimos e de catálogo, no âmbito da diretiva INSPIRE. A IDE-OTALEX C é o resultado do esforço, do compromisso e da colaboração entre instituições da fronteira, com implicação aos três níveis administrativos: Nacional, Regional e Local. Concede uma visão sobre a situação real do território, ao mesmo tempo que faculta instrumentos adequados para as políticas de ação, que contribuem para apoiar o planeamento e ordenamento do território, a fim de alcançar um desenvolvimento sustentável.
Encontrar indicadores comunes a una región tan grande como el Alentejo, Centro (Portugal) y Extremadura (España) no es una tarea sencilla. Este es el objetivo del grupo de trabajo del proyecto OTALEX C, una asociación constituida para la colaboración directa de entidades portuguesas y españolas, pertenecientes a los tres niveles de administración: nacional, regional y local, que comparten problemas comunes. Esta región rural transfronteriza con baja densidad poblacional está cambiando y la presión a la que está sometida requiere una monitorización detallada.En el proyecto anterior (OTALEX II) se ha desarrollado una estructura con 61 indicadores básicos a partir de distintas fuentes de información, con datos, escalas, definiciones y criterios pertenecientes a cada uno de ellos. Hasta entonces,sólo había dos regiones: Alentejo y Extremadura, pero ahora, con la inclusión de una nueva región en OTALEX C, la metodología desarrollada se está actualizando para mejorar el conjunto de indicadores. Uno de los objetivos principales de OTALEX C es generar indicadores de sostenibilidad para la región transfronteriza Alentejo-Centro-Extremadura, no solo con el fin de dar una visión de la situación real del territorio, sino también con vistas a proporcionar los instrumentos adecuados para que las políticas de acción contribuyan a apoyar la planificación y gestión del territorio con el fin de lograr un desarrollo sostenible.
Em 2007 criou ‑se a primeira Infraestrutura de Dados Espaciais transfronteiriça entre Portugal e Espanha (IDE ‑OTALEX – www.ideotalex.eu), que constituiu o Observatório Territorial e Ambiental Alentejo e Extremadura, ao qual se incorporou, em 2011, a região Centro de Portugal, que no total abrange uma superfície de 92.500 km2. Assim, surgiu o Observatório Territorial Alentejo ‑Extremadura ‑Centro (OTALEX C), possibilitando a integração da informação produzida pelas diversas instituições que desenvolvem as suas competências de planeamento e gestão territorial, nestas três regiões. Tendo como objetivo a monitorização e análise de alterações decorrentes de fenómenos naturais e da atividade humana sobre o território, bem como a disponibilização de dados e indicadores aos agentes que atuam neste território, foi desenvolvido um sistema de indicadores comuns, distribuídos por cinco vetores (territorial, ambiental, social, económico e de sustentabilidade). Os dados sofreram trabalhos de homogeneização e estandardização antes de serem integrados tendo em vista facilitar a visualização de mapas, consulta de topónimos e de catálogo, no âmbito da Diretiva INSPIRE. A IDE ‑OTALEX C é o resultado do esforço, do compromisso e da colaboração entre instituições da fronteira, com implicação aos três níveis administrativos: Nacional, Regional e Local. Concede uma visão sobre a situação real do território, ao mesmo tempo que faculta instrumentos adequados para as políticas de ação, que contribuem para apoiar o planeamento e ordenamento do território, a fim de alcançar um desenvolvimento sustentável.
O 1.º Seminário Raiano de Combate à Desertificação, realizado em Castelo Branco, em 20 e 21 de Janeiro de 2011, com o patrocínio dos Ministérios da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas de Portugal, do Ministério do Ambiente e do Meio Rural e Marinho de Espanha e do Conselheiro de Agricultura e Desenvolvimento Rural da Junta da Extremadura, focalizou-se nas problemáticas do Despovoamento e do Abandono Rural. Relevou-se neste Seminário a necessidade de encontrar e construir soluções para combate à desertificação e síndromas associados nas zonas raianas, que tenham em conta as pessoas e os valores naturais e culturais presentes nestes territórios e que, atendendo às novas realidades emergentes, recorram a soluções criativas e pragmáticas. Destacou-se também a necessidade de se envolverem e terem em conta as vontades expressas das populações locais e das imprescindíveis convergências para a ação de todas as instituições e agentes implicados, com fortalecimento das redes representativas. Assim, em termos de compromissos para o futuro, o 1.º Seminário integrou nas principais propostas de linhas de ação para a Raia, que passam antes do mais pela consolidação de processos existentes e/ou o desenvolvimento de novas intervenções complementares conjuntas que se refletem no combate à desertificação e ao despovoamento, designadamente os referentes aos programas comuns transfronteiriços de (i) combate aos incêndios florestais, (ii) prevenção e combate à degradação dos montados, (iii) gestão sustentável das redes de regadios públicos e (iv) intervenções coordenadas das Redes Rurais e ADLs/ GALs de um e outro lado da fronteira, questões que no global devem ser objecto de acompanhamento prioritário e concertado das redes de investigação científica ibéricas. O 2.º Seminário Raiano de Combate à Desertificação, que agora se promove, conta de novo com o apoio e empenho das instituições públicas dos dois países Ibéricos. Embora aconteça num tempo particular de crise e do aprofundar de mudanças, também do emergir de novas oportunidades no Mundo Rural, em particular da Raia, procura-se retomar e reavaliar as condicionantes à realização das frentes de trabalho conjuntas antes acordadas. Neste Seminário, contudo, o foco centra-se no Papel do Planeamento para dar resposta às questões candentes, incluindo-se nas intervenções e debates a promover temas como o Estado da Populações, os Serviços do Ecossistema a reconsiderar, as Boas Práticas Rurais a promover, os desafios das Áreas Protegidas Transfronteiriças e as Redes de Agentes de Desenvolvimento, de Informação para Apoio à Decisão Regional e Local e de Investigação e Desenvolvimento, bem como a questão chave do Papel e das Intervenções das Autarquias. Matérias e propostas decorrentes que, em conjunto com as do 1.º Seminário, devem ser agora particularmente consideradas na preparação e na negociação dos novos Programas de Desenvolvimento Regional e Rural (2014/2020) em preparação, e não podem deixar de ser inscritas naqueles num coerente quadro comum de intervenções raianas. Quadro comum que deve também ser considerado e integrado no âmbito de um possível e mais alargado Programa Ibérico de Combate à Desertificação, iniciativa sub-regional que tem enquadramento no âmbito do Anexo IV (Região Mediterrânica) da respetiva Convenção.