Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

3 records were found.

Objectivos: Avaliar o desenvolvimento cognitivo, a melhoria do desempenho físico e interacção em grupo e, o desenvolvimento comportamental e de comunicação, em indivíduos com distúrbios mentais submetidos a classes de estimulação. Metodologia: Antecedendo o início das sessões procedeu-se a uma avaliação inicial de 6 indivíduos adultos institucionalizados, com Deficiência Intelectual, de moderada a severa, recorrendo a três instrumentos de avaliação, incluindo o Mini Mental State (MMS), Teste de Desempenho Físico Modificado (TDFM) e o Protocolo de Observação Comportamental (PROC). Esta avaliação permitiu uma consciencialização das principais necessidades a suprir nas 20 classes de estimulação realizadas e foi posteriormente comparada com uma avaliação final. Resultados: A análise dos resultados revelou uma maior evolução no campo comportamental, com uma média de elevação na pontuação do PROC de 26,33, seguido de um aumento médio da pontuação do TDFM de 3,83 e de 2,83 no MMS. Discussão/Conclusões: As singularidades de cada indivíduo com transtornos do foro mental geram um desafio à sua intervenção em grupo, no entanto esta pode ser a resposta a um desenvolvimento do comportamento adaptativo e social. A nível cognitivo a evolução centrou-se na orientação, memória e nomeação. Os valores alcançados pelo TDFM referem-se, não ao alcance de novas capacidades físicas, mas à rapidez de execução das tarefas. Contudo, as melhorias mais significativas representaram-se principalmente na capacidade de comunicação e compreensão, reflectidas na interacção dos indivíduos em diferentes situações, com diferentes objectos e pessoas. Apesar da amostra deste estudo incluir um grupo restrito de indivíduos, a ênfase deve ser dada às necessidades e problemas encontrados na avaliação, e não ao diagnóstico. Desta forma, podemos pressupor que esta intervenção pode ser aplicada a indivíduos com características cognitivas, comportamentais, sociais e físicas semelhantes.
Introduction: The peculiarities of each individual with mental disorders concerns a challenge to their intervention in group, however this might be the answer to a development of adaptive and social behavior. Objectives: Assess cognitive development, improvement of physical performance and group interaction, and progress of behavioral development and communication, in individuals with mental disorders who underwent the group intervention. Methods: Prior to the beginning of the sessions there was an initial evaluation of 6 institutionalized adults with Intellectual Disabilities, using three assessment instruments, including the Mini Mental State Examination (MMSE), Modified Physical Performance Test (MPPT) and Behavioral Observation Protocol (BOP). This data, allowed an awareness of the key needs to meet in the 20 intervention sessions performed. Subsequently, there was a similar final evaluation. Results: The results showed further progress in the behavioral field, with an average upgrading of the score in BOP of 26.33, followed by an average score increase 3.83 in MPPT and 2.83 in MMSE. Conclusions: The cognitive level developments centered on orientation, memory, and naming. The data given by MPPT relate to an increase of the speed the tasks are carried, and not the reach of new physical abilities. However, the most significant improvements were represented mainly in the ability of communication and understanding, which are reflected in the interaction of individuals in different situations, with different objects and people.
A terapia pela dança recorre ao uso psicoterapêutico do movimento como processo promotor da integração emocional e física, permitindo uma recuperação psicofísica e a expressão de pessoas com diferentes tipos de deficiência. O presente estudo teve como objetivos avaliar os resultados da terapia pela dança com adultos institucionalizados, com deficiência mental e motora, no equilíbrio, coordenação, esquema corporal e cognição social. A amostra foi constituída por 19 indivíduos (5 dependentes) institucionalizados, com deficiência mental e motora. Para avaliação dos resultados foi realizada avaliação inicial (T0) e após 8 semanas de intervenção (T1). No grupo dependente avaliou-se postura e movimentos ativos em contexto normal e dança. No grupo autónomo utilizaram-se medidas para avaliar equilíbrio, coordenação, esquema corporal e cognição social. Foi realizada 1 sessão semanal (45 minutos).Utilizaram-se medidas de tendência central e de dispersão e comparações de médias. No grupo dependente, em contexto de dança verificou-se a assunção maioritariamente do padrão de extensão, por oposição ao padrão habitual. O grupo autónomo aumentou a pontuação na Escala de Berg (média de 53,71, para 55,36 pontos). Na coordenação “dedo-nariz” verificaram-se maiores dificuldades à esquerda com olhos abertos e fechados (57,1% e 71,4% respetivamente) e em T1 existiram maiores dificuldades de olhos fechados (28,6%). Na coordenação com “calcanhar-joelho” verificaram-se maiores dificuldades à esquerda (olhos abertos 14,3% e fechados 35,7%) mas em T1 todos completaram o teste. No esquema corporal em três das componentes avaliadas verificou-se um aumento das pontuações. Na componente velocidade e ritmo, em T1 todos os sujeitos completaram a tarefa. Ao nível da cognição social verificou-se um aumento em duas componentes. Esta terapia promoveu melhorias no equilíbrio, coordenação, esquema corporal e cognição social de adultos institucionalizados com deficiência mental e motora.