Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

56 records were found.

Queimaduras
Doente terminal
Oncologia
Oncologia
Cardiologia
Cuidados paliativos
Interacção enfermeiro-doente
Morte
Cuidar em fim de vida
Cuidar em fim de vida
Interacção enfermeiro-doente
Formação em cuidados paliativos: uma determinante no futuro dos cuidados de saúde
Introdução: Os Cuidados Paliativos assumem-se hoje como uma das fronteiras do desenvolvimento futuro. São, de acordo com a OMS (2002), “uma resposta às necessidades dos doentes que apresentam doença avançada, incurável e progressiva, com múltiplos sintomas em evolução, tendo como objetivo principal a garantia da melhor qualidade de vida ao doente e sua família” Os seus pilares básicos assentam no controlo de todos os sintomas físicos e psicológicos, na comunicação eficaz e terapêutica, no cuidado à família e no trabalho em equipa, em que todos se centram numa mesma missão e objetivos. A formação é unanimemente reconhecida por todas as associações e sociedades internacionais de cuidados paliativos como o pilar fundamental da garantia de cuidados de efetiva qualidade. Nesta perspetiva, devemos assumir a responsabilidade do desenvolvimento profissional mediante uma formação específica e especializada, para formar futuros profissionais bem preparados para responder às necessidades de saúde de uma população e, neste caso, A dos doentes em fase final das suas vidas e aos seus familiares. A Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias (ESALD) foi pioneira ao incluir, desde 1999, no plano curricular do curso de Licenciatura em Enfermagem (nível pré-graduado) formação básica sobre cuidados paliativos, e que, mais recentemente, no seu Plano de adequação a Bolonha do Curso de Licenciatura em Enfermagem, incluiu uma Unidade Curricular de frequência obrigatória de Cuidados Paliativos, no 3º ano do curso. Tendo em conta os sinais emergentes da sociedade portuguesa, as recomendações da Sociedade Europeia de Cuidados Paliativos, da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, da Sociedade Espanhola de Cuidados Paliativos, do Programa Nacional de Cuidados Paliativos, do Movimento dos Cidadãos Pró Cuidados Paliativos, e das implicações decorrentes da constituição da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) (Decreto-lei nº 101 de 6 de Junho de 2006), da Lei de Bases dos Cuidados Paliativos (Lei nº 52/2012 de 5 de setembro) e da sociedade em geral, é imprescindível e urgente avançar para um nível mais avançado de formação. Nesse sentido a ESALD criou o Curso de Mestrado em Cuidados Paliativos com o objetivo de capacitar o maior número de profissionais de saúde para esta área de atuação e cuidado, podendo deste modo contribuir para a mudança que se espera alcançar. O Mestrado foi Acreditado pela Agência de Acreditação e Avaliação do Ensino Superior (A3ES), em 2010. Objetivos: o Poster pretende apresentar a organização curricular do mestrado, o seu plano de estudos, objetivos de aprendizagem, as competências preconizadas e, sobretudo, descrever a experiência formativa e o modelo pedagógico implícito na sua operacionalização prática. Metodologia: Estudo e apresentação de um Caso. Na primeira parte será descrita toda a estrutura e organização curricular. Na segunda parte descrevemos o modelo pedagógico adotado, enumeramos as áreas temáticas das revisões sistemáticas da literatura, os projetos de intervenção implementados e o seu impacto na região. Resultados/Conclusões: O Mestrado em Cuidados Paliativos é um curso de formação avançada, com 90 ECTS, num total de 2430h (distribuídas por 840h teóricas e teórico-práticas; 800h de prática clínica e relatório). No momento atual, tem início a sua 3ª edição. Foi frequentado até 2013 por 67 profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, assistentes sociais e fisioterapeutas) provindos de várias regiões de Portugal. Considerando que cada mestrando deve realizar nas unidades curriculares de Investigação I e II uma revisão sistemática da literatura, no 2º ano do curso desenvolver prática clínica e a implementar um projeto de intervenção no seu local de trabalho, deste conjunto de atividades decorre a pertinência de elencar as áreas temáticas alvo de revisões sistemáticas da literatura, com particular ênfase para as publicadas; bem como descrever o conjunto de projetos de intervenção já implementados em cada hospital e/ou centro de saúde, e assim dar conta do seu alcance e impacto na região. Note-se que, não obstante o investimento pessoal, cerca de 80% dos profissionais (médicos, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas e assistentes sociais) que concluíram o curso e que detêm formação avançada num nível de perito, não se encontram a trabalhar em equipas e/ou serviços de CP, por falta de estruturas e serviços de saúde no nosso país, na área dos cuidados paliativos. Apesar disso, é de realçar que muitos disseminam a boa prática de cuidados, mantendo obediência e respeito aos valores e princípios da filosofia paliativista, portanto revigora a finalidade do curso e, acima de tudo, significa uma mais-valia para a qualidade de vida de doentes e famílias. Além disso, acreditamos que se a formação é das primeiras premissas e exigências para formar equipas de qualidade, então parte do percurso a realizar no processo de implementação de novas equipas ou serviços está percorrido.
O artigo faz uma pequena revisão teórica sobre o conceito de competência, descreve e explica as suas dimensões e componentes, coloca em relevo a importância dos saberes teóricos e práticos no desenvolvimento das competências.
Interacção enfermeiro-doente
Objetivo: Esta revisão sistemática da literatura pretende esclarecer as indicações do uso da alimentação entérica na pessoa com demência. As dificuldades na alimentação da pessoa com demência podem surgir em qualquer fase da doença, manifestando-se por desnutri- ção, perda de peso, decréscimo da qualidade de vida, entre outras. A alimentação entérica por sonda pode ser uma das opções para minorar o seu efeito, onde ainda se discute os seus benefícios. Métodos: Foram incluídos 8 estudos de natureza qualitativa: 5 artigos de fonte primária, 3 artigos de revisão sistemática da literatura, publicados no horizonte temporal de 2008 a 2013. Resultados: A alimentação entérica por sonda na pessoa com demência pode ter efeitos na sobrevivência/taxa de mortalidade (sem evidência de benefício), estado nutricional (sem melhorias), estado funcional e cognitivo (sem melhorias), aspiração (não reduz o risco de aspiração), úlceras de pressão (sem evidência de benefício na incidência e na evolução das úlceras), qualidade de vida (sem dados concretos na maioria dos estudos). Conclusões: A evidência que a alimentação por sonda nas pessoas com demência proporciona benefícios não foi conclusivo, podendo até ter o efeito oposto. Faltam ainda dados sobre os efeitos adversos destas intervenções.
Segundo a WHO (2002), as sociedades estão a envelhecer, sendo possível observar uma transformação demográfica sem precedentes na história da humanidade. O sucesso das transformações sociais, ao acolherem o envelhecimento saudável, é proporcional à precariedade dos mecanismos que dispomos para lidar com a velhice frágil e dependente. É um facto que se acrescentou mais anos de vida à população em geral; contudo, a inexorabilidade da velhice só poderá ser evitada se houver uma morte prematura. Para muitos idosos, os últimos anos de vida são devastados pela doença crónica, deficiência ou demência, e dependência maior. Do ponto de vista histórico da humanidade, somos uma sucessão de gerações, cada vez mais velhas, amparadas pela ilusão da renovação. O passado foi mais jovem que o presente, e o futuro terá ainda mais idade. Este artigo pretende apresentar a reflexão acerca do envelhecimento individual, realizada durante a investigação acerca da Promoção e Preservação da Dignidade no contexto de cuidados em lares de idosos, realizada no contexto do Doutoramento em Enfermagem da Universidade de Lisboa, Portugal.
Introdução: Apresentamos resultados dum estudo realizado sobre o processo de interação enfermeiro-doente em fim de vida, num hospital de agudos, com enfoque na gestão de sentimentos. Objetivo: Caracterizar a gestão de sentimentos na interacção que o enfermeiro estabelece com o doente em fim de vida, num hospital de agudos. Metodologia: Adotou a metodologia da Grounded Theory, com recurso à observação participante (170h) da interação entre 28 enfermeiros e 65 doentes, 10 entrevistas narrativas; com o uso das técnicas de análise comparativa constante, codificação aberta, axial e selectiva. Resultados: A gestão de sentimentos acontece em cada momento e depende da construção da confiança mútua. Para tal, o enfermeiro usa perícias de comunicação, explora/fomenta a expressão de sentimentos, expectativas e vivências do doente, cria clima de abertura, compromete-se, mostra humildade, sensibilidade e disponibilidade, partilha aspectos da sua vida pessoal, não íntimos; demonstra reciprocidade e cumplicidade, cria afectos, garante continuidade dos cuidados e da presença, “o estar lá”, facilita a presença da família. Devolve ao doente o sentimento de pertença e utilidade, ajuda-o a encontrar um sentido para cada dia. A gestão dos sentimentos é condicionada pela cultura «curativa», falta de trabalho em equipa,características e desenvolvimento pessoal de cada um. Observou-se intencionalidade terapêutica, em que o enfermeiro atua e intervém com uma intenção, de aliviar a tensão, a ansiedade, o medo e o sofrimento existencial. Os enfermeiros têm consciência dos seus limites e assumem-nos. Têm dificuldades acrescidas com doentes desinformados e com sofrimento arrastado. Fazem gestão dos sentimentos de impotência ao lidar com sofrimento inútil, adoptam estratégias de superação, uns pela negativa, outros pela positiva. Alguns protegem-se privilegiando apenas tarefas técnicas. A prática reflexiva não tem carácter regular, organizado, nem universal Conclusões: Na interação enfermeiro-doente em fim de vida num hospital de agudos, a gestão de sentimentos acontece numa escalada progressiva, depende da construção da confiança mútua e tem um potencial terapêutico variável. É fortemente condicionada pela: gestão da informação, cultura «curativa», a falta de trabalho em equipa, características do doente e família e sobretudo pelo desenvolvimento pessoal e profissional do enfermeiro. A prática reflexiva revela-se uma boa prática, mas não acontece de modo regular, organizado, nem é universal.
PROBLEMÁTICA: O papel dos cuidados paliativos enquanto acompanhamento do doente e família é muito vasto, surgindo ao longo de todo o processo de doença incurável, desde o seu diagnóstico, aos últimos dias de vida do doente e para além da morte. Os doentes na fase de últimas horas ou dias de vida são indivíduos que necessitam de cuidados especializados. No entanto, existem muitas barreiras que impedem os profissionais de saúde em diagnosticá-lo. Barreiras inerentes ao próprio doente, relacionadas com a equipa e muitas vezes a própria família também funciona como impedimento ao diagnóstico clinico da agonia. OBJECTIVO: Com esta revisão sistemática da literatura pretende-se identificar os fatores que funcionam como obstáculos aos profissionais de saúde, á identificação dos doentes na fase agónica. DESENHO: Estudo qualitativo, revisão sistemática da literatura, metasíntese MÉTODOS: Foram incluídos 10 estudos de natureza qualitativa: 4 artigos de fonte primária, 2 teses de mestrado, 3 artigo de revisão sistemática da literatura e 1 estudo de caso, publicados no horizonte temporal de 2002 a 2012. RESULTADOS: Existem vários fatores que funcionam como impedimento aos profissionais de saúde á identificação do estado de agonia. Foram identificados, após a pesquisa, 3 categorias: Obstáculos entre a equipa e o doente, nomeadamente relacionado com as trajetórias das patologias, e ainda relacionado com os doentes cardíacos; obstáculos entre a equipa e a família, neste inclui-se as barreiras espirituais e culturais e também questões relacionadas com a comunicação; obstáculos no contexto interdisciplinar, relacionados principalmente com a falta de formação profissional. CONCLUSÃO: Apesar da imensidão de estudos no âmbito da medicina paliativa, verificou-se que relacionados com os obstáculos ao diagnóstico do estado de agonia são ainda muito poucos, destacando-se um ou dois autores mais presentes na pesquisa. No entanto, ficou evidente que o principal fator que funciona como impedimento ao diagnóstico clinico do estado de agonia, referido por vários autores, é sem dúvida a falta de formação, essencialmente na identificação dos sinais e sintomas característicos desta fase, e relacionado com competências básicas de comunicação com o doente e família.
O presente artigo tem como objetivo caracterizar o processo de tomada de decisão de não reanimar nas Equipas de Emergência Médica Intrahospitalares, elegendo como ponto nuclear de pesquisa o papel do enfermeiro, do doente e/ou família neste processo, bem como as diretivas antecipadas de vontade, que benefícios/ implicações na tomada de decisão. Para a realização deste estudo de investigação recorreu-se à revisão sistemática da literatura, com o horizonte temporal de janeiro de 2005 a novembro de 2015. Para a seleção dos artigos foram definidos critérios de inclusão e exclusão bem como, descritores de pesquisa, utilizando o método PICOD. Pesquisando a partir de bases de dados de texto integral e de referência, foram incluídos 9 artigos dos quais 2 de natureza qualitativa e 7 de natureza quantitativa. Com este trabalho ficou explicita a necessidade de definir normas de orientação, para que os profissionais de saúde tenham clara noção do referencial de atuação ética e legal em doentes terminais, implementando boas práticas no que se refere à suspensão ou abstenção de tratamentos desproporcionados. As decisões antecipadas de vontade (a seu comunicação deve ser semelhante ao consentimento informado) e o envolvimento dos enfermeiros nessas decisões devem ser incluídos. Só desta forma a Decisão de Não Reanimar (DNR) é considerada uma prática digna, enquadrada na visão da ortotanásia.
PROBLEMÁTICA: Segundo a OMS os cuidados paliativos não se destinam apenas a doentes oncológicos sem hipótese de cura e devem ser integrados numa fase inicial da trajectória da doença. Os doentes pós-AVC são um dos grupos que pode beneficiar de cuidados paliativos. No entanto existe pouca literatura e investigação sobre as necessidades em cuidados paliativos de doentes pós-AVC. OBJECTIVO: Identificar as necessidades dos doentes pós-AVC em cuidados paliativos. DESENHO: Estudo qualitativo, revisão sistemática da literatura, metassíntese. MÉTODOS: Após pesquisa em bases de dados e repositórios científicos foram seleccionados 12 estudos que abordavam a temática em estudo. RESULTADOS: Os profissionais de saúde têm dúvidas sobre quais os doentes pós-AVC que podem beneficiar de cuidados paliativos e quando referenciar. Deve ser usado um instrumento de avaliação de necessidades para se identificar doentes pós-AVC com necessidades em cuidados paliativos. As necessidades destes doentes passam por controlo sintomático; comunicação e informação; decisões de fim de vida e atender às necessidades dos cuidadores. Os sintomas com maior prevalência são a dor e dispneia. Decisões de fim de vida relacionadas com a alimentação e hidratação são as que causa maior ansiedade na família e conflito com os profissionais. CONCLUSÃO: Uma forma de identificar doentes pós-AVC com necessidades em cuidados paliativos pode passar, talvez, por aferir impacto do AVC na vida do doente e posteriormente avaliar as necessidades em cuidados paliativos com um instrumento próprio para o efeito. As necessidades identificadas não são exclusivas de cuidados paliativos, mas quando presentes os doentes podem beneficiar da intervenção da equipa de cuidados paliativos.
Introdução: Atualmente existe um elevado número de pessoas com diagnóstico de demência. No âmbito dos cuidados Paliativos as intervenções de reabilitação são muitas vezes minoradas. Desta forma è importante o estudo de medidas não farmacológicas com vista a melhorar o estado funcional e qualidade de vida destes doentes. Problemática: Qual a intervenção do fisioterapeuta no doente com demência em cuidados paliativos? Objetivos: Nesta revisão sistemática da literatura pretendemos identificar quais as intervenções que os fisioterapeutas utilizam com doentes com demência em cuidados paliativos e quais os benefícios dessas técnicas. Métodos: Desenho do Estudo - Revisão Sistemática da Literatura; Foram incluídos 12 estudos com um intervalo temporal de 2003 a 2015, em que são abordadas técnicas que possam ser utilizadas por fisioterapeutas no tratamento ou alívio do sofrimento e na melhoria de qualidade de vida destes doentes. Os artigos científicos foram encontrados em diversas bases de dados online e de texto integral tais como: Biblioteca do conhecimento Online, Pubmed e PEdro. Resultados: Nesta revisão sistemática da literatura foram encontradas diversas técnicas não farmacológicas que contribuem para o aumento da qualidade de vida dos doentes com demência. Dentro destas técnicas encontradas são referidas o exercício aeróbico, manutenção da força muscular, treino de equilíbrio, o toque, treino cognitivo, intervenções comportamentais, estimulação cognitiva, estimulação elétrica transcutânea, musicoterapia, reminiscência, treino de atividades da vida diária (AVD´s), massagem, terapia de recreação, sala snoezelen, estimulação multissensorial, apoio e psicoterapia, e relaxamento muscular. Conclusões: Dentro dos programas multidisciplinares analisados nesta revisão o Fisioterapeuta faz todo o sentido, sendo este o profissional que utiliza o maior número de técnicas não farmacológicas abordadas. Estes programas podem ser bastante benéficos para que a diminuição da cognição ocorra de forma mais lenta e consequentemente permita a manutenção das faculdades físicas e o aumento da qualidade de vida do doente e dos seus cuidadores. O exercício é a técnica mais estudada, com resultados positivos na qualidade de vida. Constatamos que existe pouca evidência da intervenção do fisioterapeuta na fase terminal do doente com demência.
PROBLEMÁTICA: A dispneia é um dos sintomas mais desestabilizadores e frequentes em pacientes com doença crónica, progressiva e incurável nos seus estádios mais avançados, aumentando de prevalência e intensidade ao longo das últimas semanas de vida do utente. As opções terapêuticas para este tipo de utentes devem focar o alívio ou eliminação da dispneia, restaurar a normalidade funcional, minimizar ou eliminar a hospitalização e tornar mais eficiente o uso dos recursos humanos e materiais disponíveis. OBJECTIVOS: Nesta revisão sistemática da literatura definimos como metas identificar e descrever os métodos farmacológicos e não-farmacológicos no alívio eficaz da dispneia num contexto de Cuidados Paliativos. DESENHO: Revisão Sistemática da Literatura MÉTODOS: Foram incluídos 11 artigos, 4 revisões sistemáticas da literatura e um trabalho de investigação académico, publicados entre 2007 e 2012 e pesquisados em bases de dados de referência e com acesso a texto integral. RESULTADOS: No controlo da dispneia em Cuidados Paliativos intervém sobretudo estratégias farmacológicas e não farmacológicas. Os opióides constituem a primeira linha farmacológica, quer usados isoladamente quer em conjunto com uma benzodiazepina. Tem sido estudada a ação da furosemida inalatória, embora a sua evidência seja ainda reduzida. O uso de oxigenoterapia é útil, mas apenas em casos de dispneia associada a hipoxia, caso contrário o uso de oxigénio medicinal ou de ar atmosférico tem um efeito semelhante. No que refere às estratégias não farmacológicas, o uso de ventiladores, de técnicas de relaxamento, o apoio psicossocial, o treino respiratório e as terapêuticas alternativas como acupunctura ou estimulação elétrica neuromuscular têm também sido abordadas na literatura de referência. CONCLUSÕES: Em doentes terminais, pese embora os diversos processos de doença em evolução, estão presentes um número comum de problemas que necessitam de uma resposta eficaz por parte dos profissionais. Ao nível do controlo da dispneia, foram identificadas uma série de respostas farmacológicas e não farmacológicas com reconhecida validade científica, que deverão ser utilizadas sempre com critério e atendendo às características particulares de cada indivíduo.
PROBLEMÁTICA: O envelhecimento populacional tendencialmente crescendo, associado ao aumento de doenças crónicas de evolução prolongada levam ao aumento significativo do número de internamentos de doentes terminais em hospitais de agudos. Este facto exige formação adequada dos profissionais de saúde para cuidar de doentes em que o intuito curativo deixa de ser a exigência. OBJETIVOS: Este estudo pretende identificar as vantagens e desvantagens da terapêutica e hidratação subcutânea em cuidados paliativos bem como, mais especificamente, descrevê-las reportando-as para o contexto de controlo sintomático em emergências, nos últimos dias e horas de vida e em cuidados domiciliários, cruzando com os objetivos principais e secundários deste estudo. DESENHO: Revisão sistemática da literatura que inclui estudos de natureza qualitativa, quantitativa e mista. METODOLOGIA: Para a sua realização foram incluídos 23 estudos empíricos, 17 de fonte primária e 6 revisões sistemáticas da literatura, publicados no horizonte temporal entre janeiro de 2007 e junho de 2012, pesquisados a partir de bases de dados de texto integral e de referência. RESULTADOS: Este estudo evidenciou não só a existência de vantagens e desvantagens da via subcutânea, como também a presença de fatores promotores, de dificuldades e entraves com que se deparam o doente, o cuidador, o profissional e as organizações de saúde. CONCLUSÃO: A via subcutânea é um recurso importante em cuidados paliativos. As suas imensas vantagens superam as suas possíveis desvantagens, sendo pouco frequentes, facilmente ultrapassáveis e previsíveis. As barreiras ao seu uso precipitam as suas desvantagens ofuscando muitas vezes as suas vantagens. Os ganhos em saúde com o recurso a esta via, são notórios.
Problemática: O recurso aos serviços de urgência por parte dos doentes em final de vida é frequente sobretudo quando existem sintomas descontrolados. A abordagem paliativa necessária nesta fase colide com o contexto “urgência” e limita a intervenção do enfermeiro. Objetivo: Nesta revisão da literatura pretendemos identificar as dificuldades dos enfermeiros na prestação de cuidados aos doentes em fim de vida no serviço de urgência assim como caracterizar a natureza dos cuidados prestados neste contexto. Desenho: Revisão sistemática da literatura. Métodos: Foram incluídos 10 artigos de investigação entre os quais 2 revisões da literatura no período temporal de 2007-2012. Resultados: Na maioria dos artigos encontrados é dado ênfase aos obstaclos e dificuldades enfrentados pelos enfermeiros existindo pouca referencia a prestação de cuidados ao doente em fim de vida no serviço de urgência. As dificuldades são inúmeras desde da falta de formação em cuidados paliativos á própria filosofia destes serviços. Conclusões: As principais dificuldades citadas pelos enfermeiros prendem-se com o modelo organizacional e arquitetónico dos serviços de urgência que não favorecem a comunicação nem a relação de ajuda. Os enfermeiros preocupam-se não só em propocionar conforto através de controlo de sintomas, como também em dar apoio aos familiares do paciente em fim de vida.
Os cuidados paliativos pretendem ajudar os doentes terminais a viver tão activamente quanto possível até à sua morte, através de uma abordagem multidisciplinar, incluindo as componentes física, psicológica, social, espiritual, etc., sendo o grande objectivo promover a qualidade de vida e aliviar o sofrimento. Este objectivo estende-se à actuação do psicólogo, porém a intervenção psicológica neste contexto não está claramente definido. Assim, o objectivo deste estudo é averiguar as competências do psicólogo, em cuidados paliativos, na intervenção tanto com o doente, como com a família. Para responder à questão de partida, realizou-se uma revisão sistemática da literatura, com um horizonte temporal entre 2005 e 2014. Como forma de seleccionar a informação importante foram definidos critérios de inclusão e exclusão assim como, descritores de pesquisa, complementando-se com o método PICOD, para a selecção dos artigos. Como resultados apuraram-se os seguintes: na intervenção psicológica com os doentes e os familiares (gestão de sintomas; questões espirituais, de significado e sentido da vida; psicopatologias; no processo de luto/de perda; ajuste de expectativas; resolução de problemas/preocupações); claudicação familiar. Concluiu-se então que existe benefício na existência de, pelo menos um psicólogo, na equipa de cuidados paliativos, as intervenções deverão seguir maioritariamente uma abordagem cognitivo- comportamentais e a necessidade de um investimento na formação dos psicólogos em cuidados paliativos.
PROBLEMÁTICA: Com o aumento da população e comummente com o aumento de doenças crónicas, leva a um crescimento de doentes que necessitam de cuidados paliativos. A intervenção em cuidados paliativos visa o alívio do sofrimento e melhorar a qualidade de vida do doente e sua família, respeitando as suas preferências e desejos. Os profissionais de saúde necessitam de formação em Cuidados Paliativos, respeitando as expetativas dos doentes e permitir que a pessoa seja cuidada no seu local preferido de cuidados e não recorrer consecutivamente a urgências e internamentos de agudos. OBJETIVOS: Demonstrar a importância da identificação da preferência do local de cuidados dos doentes em fim-de-vida, compreender a importância do planeamento de cuidados e Diretivas antecipadas de vontade (DAV), relacionar a escolha do local de cuidados com o local de morte, identificar os fatores que influenciam e condicionam a escolha do local de cuidados dos doentes em fim-de-vida e por fim, perceber a organização e qualidade dos serviços. DESENHO: Revisão sistemática da literatura que inclui estudos de natureza qualitativa. METODOLOGIA: Foram incluídos oito estudos, publicados entre 1 de Janeiro de 2016 e 31 de Agosto 2016, pesquisados em bases de dados de referência e com acesso ao texto integral. RESULTADOS: Este estudo demonstra a importância das preferências dos doentes e serem registadas, a importância das Diretivas Antecipadas de Vontade, bem como o planeamento do cuidado de forma antecipada. É fundamental ter em conta os fatores que influenciam e condicionam a escolha do local de cuidados. CONCLUSÃO: Deve dar-se importância às preferências do local de cuidado dos doentes em fim-de-vida. Os doentes em fim-de-vida na sua globalidade preferem ser cuidados e morrerem em casa. As equipas multidisciplinares desenvolvem um papel preponderante no cuidado aos doentes em fim-de-vida. Quando os cuidados prestados são de alta qualidade, permite ao doente ser cuidado e morrer no seu local preferido.
A implementação de paradigmas no Ensino Superior resultantes da introdução do Processo de Bolonha abre portas para a renovação. A qualidade passa pela revisão dos curricula, pela reorganização dos processos de ensino-aprendizagem, pela estruturação das unidades curriculares e cursos, pela qualificação e formação de docentes, pelo sucesso e resultados escolares, pela avaliação das competências atingidas e pela confiança social no ensino superior. Em 2010 foi delineado o Projeto “Construção da Aprendizagem” /ConstAp) com o objetivo principal de motivar as mudanças, nomeadamente ao nível das metodologias adotadas e da implementação do trabalho autónomo, para garantir uma carga de trabalho do estudante contínua ao longo do semestre. A questão central é a melhoria da qualidade no ensino ministrado. Este artigo analisa a execução do projeto implementado no IPCB, desde o ano letivo 2009/10, no âmbito do processo de Bolonha, contextualizando os seus objetivos, implementação e condicionantes.
O presente artigo expõe os dados relacionados com a metodologia seguida pelo IPCB para acompanhar a implementação do Processo de Bolonha na Instituição, assim como os indicadores utilizados para a realização do relatório anual. São apresentadas as estratégias adotadas por cada Unidade Orgânica para a transição entre planos curriculares, nomeadamente a metodologia para adoção de ECTS e para adaptação aos novos ciclos de estudos. Aborda-se ainda a estratégia centralizada de acompanhamento do Processo e de planificação de iniciativas que envolvem todas as Unidades Orgânicas. Posteriormente é apresentada a evolução sentida em diversas matérias como as mudanças pedagógicas, a evolução das componentes de trabalho, a adoção de medidas para a promoção do sucesso escolar, a aquisição de competências transversais e o contributo da Instituição na inserção dos diplomados na vida ativa. De todas as medidas adotadas e iniciativas promovidas, apresenta-se como fundamental a continuidade de uma estratégia institucional vocacionada para o incentivo à mudança, nomeadamente a plena adoção de um modelo de ensino e aprendizagem ativo e efetivamente centrado no estudante. Apresentam-se as iniciativas ainda em andamento para que se garanta a efetiva implementação do Processo de Bolonha no IPCB, considerando toda a sua abrangência e a necessidade de concertar esforços para a dinamização de iniciativas pedagógicas que estimulem a iniciativa e criatividade dos estudantes.
A Agência para Avaliação e Acreditação da Qualidade no Ensino Superior em Portugal, assim como a Lei da Qualidade no Ensino Superior, foram publicadas em 2007. Foi solicitado a cada Instituição de Ensino Superior (IES) a conceção de um sistema de avaliação da qualidade ajustado à sua dimensão e funcionamento, compatível com a política da qualidade existente e estratégia definida. Este trabalho apresenta a conceção do Sistema Interno de Gestão da Qualidade no Percurso Formativo definido para o Instituto Politécnico de Castelo Branco. Neste sentido são abordadas as várias fases de desenvolvimento do sistema e que consiste no desenvolvimento progressivos dos vários subprocessos identificados: Unidade Curricular; Curso; Unidade Técnico Científica; Unidade Orgânica; Instituição. A estes subprocessos estão associados os referenciais definidos, considerando-se os European Standard and Guidelines, e a lógica organizacional existente.
O período que vivem atualmente as Instituições de Ensino Superior (IES) é considerado por todos os agentes envolvidos como um período de mudança, uma vez que se assiste a grandes alterações, quer na cultura de ensino, quer na cultura de aprendizagem. Neste sentido, não é possível deixar de refletir sobre estas transformações, tendo como pano de fundo a promoção de um nível adequado de exigência académica que deve ser uma característica das IES. A elaboração e divulgação de um relatório anual de concretização do Processo de Bolonha que, para além da exigência legal, e face às transformações verificadas no ensino superior resultantes do Processo de Bolonha, pretende mostrar o que tem sido desenvolvido pelas IES e especificamente pelo Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) para garantir uma formação orientada para o desenvolvimento das competências específicas e transversais, para as medidas de apoio à promoção do sucesso escolar e para as medidas de estímulo à inserção na vida ativa dos estudantes e podem ser consultados em www.bolonha.ipcb.pt
The transition into the twenty-first century brought about important changes in society, including the areas of education and teaching. The establishment of the European Higher Education Area represents an effort to face these changes together in Europe. The changes in the teaching and learning models in higher education led to the institutional promotion of extensive interventions in order to alter the status quo that has prevailed for decades. The need for a cultural renewal of the teaching staff involved in higher education, attending to the centrality of student’s learning rather than knowledge per se, is also a challenge to be overcome. This study intends to highlight the central elements concerning the Bologna Process and the topics connecting the objec- tives and their intrinsic principles. This initial approach is the basis for the design of a proposal for monitoring the implementation of the Bologna Process in an institution of higher education in Portugal. The results suggest a proposal consistent with the needs in terms of monitoring the implementation of the Bologna Process. This proposal allows, in addition to static analysis relative to a specific academic year, dynamic analysis between academic years, uncovering best practices and areas for improvement.