Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for animação and 116 records were found.

Relatório do Trabalho de Fim de Curso em Design de Comunicação e Produção Audiovisual apresentado à Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco.
Dissertação apresentada ao Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Animação Artística.
Dissertação apresentada ao Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Animação Artística.
Entender os processos de desenvolvimento local implica identificar a diversidade de situações e potencialidades que se podem associar às iniciativas de raiz local. Nesse sentido, serão analisados os modelos territorialista e funcionalista de desenvolvimento local, tipificando as diferentes dimensões que caracterizam cada um desses paradigmas de desenvolvimento territorial e apontando as relações existentes com os modelos de intervenção cultural. Argumenta-se, seguidamente, que os projectos de animação cultural devem revestir um claro figurino territorialista, ou endógeno, porque só assim poderão constituir-se como verdadeiros instrumentos de valorização dos activos locais e de qualificação das comunidades. Nesse sentido, na perspectiva de animação cultural, o modelo de intervenção cultural de cidadania filia claramente, como se argumenta, na abordagem territorialista de desenvolvimento local e regional. Finalmente, serão apontados alguns desafios críticos a que um projecto de animação cultural precisa responder, bem como as principais características que lhe devem transmitir forma e conteúdo.
O Património Cultural, como história individual e coletiva, tem de ser valorizado pelas populações locais, na medida em que corresponde ao seu universo identitário. Neste artigo, defendemos ser fundamental, para uma verdadeira dinamização do Património local, que a comunidade conheça e reconheça o valor dessa herança cultural, a fim de a poder rentabilizar como recurso de desenvolvimento. Consideramos, igualmente, que a Animação Artística, enquanto forma de intervenção num território, num trabalho efetivo e prolongado numa comunidade, promove a força desse património, desafia mentalidades, explora projetos de interação, incentiva a aceitação da diversidade, cria o novo, acolhendo o antigo. Quando se estabelece a relação entre um Património herdado e um Património que se vai construindo, quando se favorece a animação e a educação artísticas, no diálogo entre o fazer expressivo-artístico e outras culturas, artes e estéticas, projetos diversificados podem e devem estruturar-se. Estes projetos permitem tornar presente a tradição, desbloquear os limites dos processos criativos e capacitar a população para ser agente do seu próprio desenvolvimento, propondo, deste modo, alternativas à cultura massificada e à imposição de uma monocultura à escala global. Este artigo visa refletir sobre esta problemática e acentuar que a riqueza cultural de uma comunidade não pode medir-se pelo valor económico imediato que ela produz, mas terá que ser encarada como investimento de futuro, seja no direito das novas gerações a usufruir orgulhosamente do seu património, seja no disponibilizar de novas condições para o bem-estar das populações, seja no atrair de novos visitantes, seja no desenvolvimento social e económico gerado, a médio e longo prazos.
Trabalho de Projeto apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Animação Artística.
Trabalho de Projeto apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Animação Artística.
A animação sociocultural (ASC) significa o processo contínuo e global de ação e intervenção numa comunidade territorial, pretendendo promover compromissos de consciencialização e participação ativa nos indivíduos (cidadania, civismo), contribuindo para a sua formação pessoal e social. A comunidade converte-se em protagonista dinâmica do próprio desenvolvimento dos individuos contribuindo para a sua satisfação e qualidade de vida. Numa perspetiva ampla a ASC enquadra áreas de atividades e realidades diversas, que integram formas variadas de: ocupação dos tempos livres e de ócio; ações de alfabetização (funcional, digital); recreação, ludicidade e de expressões; atividades físico-desportivas; recuperação do património natural, cultural e artistico; consciencialização ecológico-ambiental; recuperação de práticas de arte popular; atividades gastronómicas, etc. O autor, numa análise hemistica à ASC, estrutura o artigo em quatro pontos: aproximação conceptual à problemática da ASC; os âmbitos e componentes da intervenção sociocultural; modelos de animador e a ASC no território de desenvolvimento de atividades. Por último, propõe-se um projeto de intervenção sociocultural num centro de tempos livros (associativismo).
Dissertação apresentada a Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Animação Artística.
Dissertação apresentada a Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Animação Artística.
O autor aborda a importância de educar para o turismo, já que este constitui não só um desafio e possibilidade económica e social/cultural deste século, como uma área de formação para a cidadania – cidade educadora (âmbito das aprendizagens não formais do indivíduo). Essa pedagogia ‘do’ e ‘para’ o turismo situa-se no âmbito das ciências sociais e humanas e, especialmente na das ciências da educação, devido à relação ‘turismo-educação – meio/comunidade’ (vertente educativa). Essa pedagogia insere-se nas ‘pedagogias de baixa densidade’ (rede social/sistémica de ação dos indivíduos no seu quotidiano), que integra o encontro, a convivência, património, a comunidade cidadãos, a multiculturalidade, a intergeracionalidade, o consumo, a urbanidade, etc. O campo de intervenção e do ‘saber pedagógico/educativo’ ‘do’ e ‘para’ o turismo incide numa educação para os valores e convivência como elementos cruciais da sua ação, no campo de intervenção da pedagogia social, que tem na educação social e o trabalho social a sua vertente prática/praxiológica, ao estar orientada à socialização e promoção dos indivíduos na sociedade ou comunidade. A relação ‘animação-turismo’, como atividade complexa nas suas diversas dimensões, constrói-se no diálogo interativo de saberes ‘sobre’ e ‘para’ a comunidade. A análise hermenêutica assenta sobre: pedagogia social e pedagogia do/para turismo’, na perspetiva social/educativa e cultural; pedagogia do encontro (‘baixa densidade’ territorial/comunitária) nos meandros das atividades turísticas; desafios da animação–turismo-interculturalidade na comunidade.
Dissertação Trabalho de Projeto apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
Projeto apresentado ao Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Licenciado em Design de Comunicação e Produção Audiovisual
Trabalho de Projeto apresentado ao Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Animação Artística.
Trabalho de Projeto apresentado ao Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Animação Artística.
Relatório de Projeto Final de Curso de Licenciatura em Design Comunicação e Produção Audiovisual apresentado à Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco.
1º vol. 4ª ed.; 2º vol. 4ª ed.; 3º vol. 3ª ed.; 5ª ed. 2ª ed.; 6º vol. 2ª ed.; 7 vol. 1ª ed. reimp.; 9 vol. 2ª ed.; 10 vol. 1ª ed. reimp
O estudo integra-se no ‘Projeto de Inteligência Emocional em alunos do 1.º CEB na região de Castelo Branco ’ da prática de um programa sobre a educação das emoções. Nessa aplicação detetamos casos de indisciplina, agressões (físicas, verbais) e desrespeito pelas normas disciplinares nos alunos nos espaços escolares e quisemos desenvolver numa escola urbana de Castelo Branco (2012- 13), um programa de intervenção de animação no recreio (atividades lúdicas organizadas). Fizemos inicialmente registos observacionais que demonstraram, que é no recreio que ocorre maior número de situações de indisciplina entre os alunos. Numa perspetiva de paradigma interpretativo, utilizamos questionários (alunos, professores, assistentes operacionais), observações (naturais, sistemáticas e participantes), notas de campo e a triangulação de dados e metodologias. A intervenção de um programa de animação no recreio durante o semestre foi muito positiva (avaliação das atividades), na organização em grupos e na diversidade das atividades/jogos realizadas, que implicaram uma melhoria nas relações e convivência escolar, evitando-se situações de indisciplina ou incumprimento de regras. Os motivos que levaram os alunos a ter alguns comportamentos agressivos foram devidos a conflitos relacionados com a ordem de jogar e o incumprimento das regras. A gestão e conhecimento das emoções e a compreensão dos outros permitiram aos alunos compreenderem as suas reações e a dos outros, quando brincam e jogam na escola.
Trabalho de Projeto apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
Dissertação apresentada a Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Intervenção Social Escolar
Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
Proveniente do fundo do ex-CDE existente no IPCB
Vol. 4: Manual do aluno 2 : 9-12
Dissertação de mestrado em Instrumentos e Técnicas de Apoio ao Desenvolvimento Rural apresentada na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Relatório de Estágio apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Intervenção Social Escolar – Especialização em Criança e Jovens em Risco.
A intervenção no campo cultural a nível municipal em Portugal é, ainda, uma atividade em estruturação, com uma significativa dimensão experimentalista, a que, não raras vezes, está associado um défice de reflexão teórica e analítica. Neste artigo, sustenta-se que as políticas culturais autárquicas devem revestir um claro figurino territorialista, ou endógeno, porque só assim poderão constituir-se como verdadeiros instrumentos de valorização dos ativos locais e de qualificação das comunidades. Face a alguns dos mais pertinentes desafios existentes no contexto português de desenvolvimento local, serão enunciados dez princípios orientadores básicos a que uma política cultural municipal, de matriz endógena, precisa de responder eficazmente, bem como as principais características que lhe devem transmitir forma e conteúdo.
As mudanças políticas na Europa têm novas repercussões, principalmente ao nível educativo. O autor apresenta algumas propostas de reflexão sobre as problemáticas envolventes à educação intercultural e, o respectivo impacto, na formação (inicial e contínua) dos professores. A intervenção do professor no contexto intercultural constitui um instrumento para a adequação às novas exigências e mudança na educação e nos sistemas educativos europeus. A formação de professores no exercício das suas funções e acções educativas, devem conceber procedimentos, de modo que o sistema educativo elabore e incorpore conhecimentos, saberes, habilidades e atitudes no contexto de aprendizagens multi e intercultural dos alunos.
Trabalho de Projeto apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
O turismo no espaço rural é entendido como um produto completo e diversificado que integra as componentes de alojamento, restauração, animação e lazer, baseado no acolhimento hospitaleiro e personalizado e nas tradições mais genuínas da gastronomia, do artesanato, da cultura popular, da arquitetura, do folclore, e da história. São apresentados os principais instrumentos, designadamente o PDR 2020, bem como a oferta formativa da ESA-IPCB nesta área.
Relatório do Trabalho de Fim de Curso de Engenharia das Ciências Agrárias – Ramo Animal.
A educação ambiental (EA) integra um conjunto de categorias educativas/pedagógicas (educação formal e não-formal) que proporcionam uns fundamentos para a inter-relação da “educação com o meio ambiente”. Trata-se de uma área da educação social, que serve, em termos de estratégia de intervenção, a animação socio educativa/socio-cultural, criando novas relações do Homem com os problemas ecológico – ambientais. O autor considera a EA como: uma exigência da análise cultural do homem, exigindo-lhe uma dimensão ético-moral; uma estratégia de educação (não ) formal/informal, que exige um diálogo cientifico-tecnologico-humanista sobre a natureza um estilo ambiental de educação (paradigma) no âmbito da pedagogia (ambiental). A revitalização ambiental da Pedagogia evidencia a valorização da educação da natureza e do aprender a aprender. O meio-ambiente não se inscreve apenas no meio educativo; social e cultural, também surge na realidade humana (cidadania), das relações e convivencialidade (axiologia).
Nesta comunicação pretendemos realizar uma abordagem sobre a evolução das políticas consagradas ao fomento da inovação, enquadrando-as historicamente no contexto de uma progressiva maturação e transformação quer das políticas científicas, quer das políticas tecnológicas precedentes. O nosso quadro argumentativo vai no sentido de sustentar que a actual política de inovação se projecta numa cada vez mais importante dimensão regional e, convergentemente, a moderna política regional envolve, também, vectores associados ao fomento das dinâmicas de inovação, de tal modo que, no plano operacional, e mesmo ao nível do respectivo enquadramento conceptual, existe uma clara tendência de aproximação e, até, por vezes, de fusão, entre estas duas políticas de animação económica que valorizam, sobretudo, o chamado software do desenvolvimento.
Disponível na Biblioteca da ESACB na cota C30-18982TFCORN.
Trabalho de projeto apresentada à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
Trabalho apresentado para conclusäo do curso de Estudos Superiores Especializados em Educaçäo Especial
O projecto Ambiente e Vida : rochas, solo, clima e seres vivos teve como principal objectivo mobilizar e conjugar esforços no sentido de contribuir para uma melhoria da cultura científica, tecnológica e artística, através da realização de actividades de investigação e de experimentação. Assim, dado que a melhoria da cultura científica envolve a promoção de conhecimentos científicos, de capacidades investigativas e de atitudes favoráveis perante a Ciência e o trabalho científico, de forma abrangente e multidisciplinar, foi criado em cada uma das instituições envolvidas – escolas do 1º CEB do Agrupamento de Escolas João Roiz de Castelo Branco; Associação Educar, Reabilitar, Incluir Diferenças (ERID); Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) de Castelo Branco; Câmara Municipal de Castelo Branco/Museu do Canteiro, em Alcains – o”antinho do Ensino Experimental das Ciências”. Este projecto visou também aprofundar e alargar conhecimentos, capacidades e atitudes que projectos anteriores, no Âmbito do Ciência Viva e de outros projectos nacionais e internacionais, sugerem ser importantes para o desenvolvimento da cultura cientifica desde a mais tenra idade.
Este texto pretende descrever/apresentar um estudo de caso realizado no âmbito do projecto Desenvolvendo a Qualidade em Parcerias (DQP) num Agrupamento de Escolas. Um Agrupamento de Escolas é uma unidade organizacional, dotada de órgãos próprios de administração e gestão, constituída por estabelecimentos de educação pré-escolar e de um ou mais níveis e ciclos de ensino, a partir de um projecto pedagógico comum (Decreto-Lei nº 115-A/98, de 4 de Maio). Este conceito organizacional, relativamente recente no contexto educativo português, visa dar resposta a dificuldades identificadas, pretendendo, nomeadamente: - Dar resposta a situações de isolamento de estabelecimentos educativos; - Racionalizar os recursos humanos e materiais no sector educativo; - Criar dinâmicas de comunicação e de aprendizagem entre crianças de diferentes idades e ciclos de ensino; - Permitir aos alunos uma passagem mais integrada pelos diferentes ciclos de ensino; - Desenvolver um sentido de comunidade educativa; - Desenvolver projectos educativos mais vastos e integrados; - Desenvolver processos de conhecimento e partilha entre os profissionais dos diferentes níveis de ensino. Apesar de não termos tido acesso a nenhuma avaliação que, de uma forma sistemática e rigorosa, permita aferir a concretização de alguns destes objectivos, muitos dos relatos dos profissionais de diferentes níveis de ensino têm identificado dificuldades e entraves. Considerando que a promoção da qualidade educativa depende, em grande medida, da concretização das finalidades acima enunciadas, será importante reflectir o papel que a implementação de um projecto de avaliação e de promoção da qualidade num estabelecimento de educação de infância integrado num agrupamento de escolas poderá assumir na sua dinâmica organizacional. Tendo como pano de fundo algumas destas ideias, centramos as nossas preocupações na análise da seguinte questão: - A implementação de um projecto de avaliação e desenvolvimento da qualidade com os pressupostos do DQP (em que o conceito de parceria se organiza como o núcleo do processo) num contexto de jardim-de-infância poderá contribuir para uma melhor compreensão dos objectivos da educação pré-escolar, permitindo dar uma maior visibilidade às experiências de aprendizagem desenvolvidas num nível de educação que ainda carece de afirmação junto da sociedade em geral e dos diferentes parceiros educativos. Num primeiro momento do presente texto faremos uma descrição do contexto e da organização do estabelecimento educativo em análise. Em seguida, apresentaremos uma análise das suas práticas educativas, identificando os aspectos que poderão contribuir para a promoção da qualidade das suas experiências de aprendizagem. As reflexões finais incidirão sobre as questões que se organizaram como motivadoras deste trabalho.