Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for envelhecimento and 641 records were found.

Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Envelhecimento
Objetivo: Verificar se existe relação entre a capacidade de armazenamento de energia elástica dos flexores plantares e o desempenho no salto vertical com contra-movimento (SVCM) em participantes de diferentes faixas etárias. Relevância: O processo de envelhecimento está associado a alterações das propriedades viscoelásticas do tecido músculo-esquelético, nomeadamente da sua capacidade de armazenar energia elástica. É reportado que estas propriedades podem estar relacionadas com o desempenho em tarefas de potência muscular, como é o caso do SVCM. Amostra: 30 participantes foram distribuídos por três grupos de faixas etárias distintas: 1) adultos-jovens (n=11, 21.2±1.3 anos); 2) adultos de meia-idade (n=9,50.7±9.3 anos); e 3) idosos (n=10,72.5±4.0 anos). Materiais e Métodos: A capacidade de armazenamento de energia elástica foi estimada a partir de testes de alongamentos passivos dos flexores plantares a diferentes velocidades (i.e. 2, 30, e 60°s¯¹), através do coeficiente de dissipação de energia (CD). O desempenho em tarefas de potência muscular foi quantificado com a medição da altura do SVCM. Análise Estatística: A normalidade dos dados foi verificada com o teste Kolmogorov-Smirnov. A correlação de variáveis foi determinada através do coeficiente de correlação de Pearson (r), e a comparação entre grupos através do teste One-Way ANOVA. Resultados: Observou-se uma correlação linear negativa (r= -0.423, p=0.02) entre o CD e a altura do SVCM. Não foram encontradas diferenças significativas no CD entre os grupos (p=0.137), no entanto foi observado um efeito significativo na altura do SVCM entre os grupos (p≤0.001). Conclusão: Observou-se no presente estudo que, participantes com maior capacidade de armazenar energia elástica durante o alongamento tendem a produzir desempenhos superiores no SVCM. Esta observação reforça a importância desta propriedade mecânica na manifestação do desempenho motor em tarefas de potência muscular.
Envelhecimento
Envelhecimento arterial
Envelhecimento humano
Relatório de Estágio apresentado à Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Licenciado em Engenharia Biológica e Alimentar, do qual só está disponível o resumo.
Segundo a WHO (2002), as sociedades estão a envelhecer, sendo possível observar uma transformação demográfica sem precedentes na história da humanidade. O sucesso das transformações sociais, ao acolherem o envelhecimento saudável, é proporcional à precariedade dos mecanismos que dispomos para lidar com a velhice frágil e dependente. É um facto que se acrescentou mais anos de vida à população em geral; contudo, a inexorabilidade da velhice só poderá ser evitada se houver uma morte prematura. Para muitos idosos, os últimos anos de vida são devastados pela doença crónica, deficiência ou demência, e dependência maior. Do ponto de vista histórico da humanidade, somos uma sucessão de gerações, cada vez mais velhas, amparadas pela ilusão da renovação. O passado foi mais jovem que o presente, e o futuro terá ainda mais idade. Este artigo pretende apresentar a reflexão acerca do envelhecimento individual, realizada durante a investigação acerca da Promoção e Preservação da Dignidade no contexto de cuidados em lares de idosos, realizada no contexto do Doutoramento em Enfermagem da Universidade de Lisboa, Portugal.
A tecnologia de envelhecimento tradicional, que consiste na colocação da aguardente vínica em vasilhas de madeira durante vários anos, é uma técnica morosa e onerosa. Assim, têm vindo a ser introduzidas e desenvolvidas novas técnicas, com o intuito de optimizar o processo e reduzir os custos. Uma dessas novas técnicas consiste em introduzir pedaços de madeira (aparas, toros ou outras formas) na bebida a envelhecer, condicionada em depósitos de inox. Têm sido realizados muitos estudos em vinhos, mas em aguardentes a experimentação é escassa [1, 2]. Assim, este trabalho teve como objectivo avaliar a influência da utilização de alternativas ao envelhecimento de aguardentes em vasilhas de madeira, na composição química das aguardentes obtidas, dando particular atenção aos compostos odorantes provenientes da madeira. Para tal, uma mesma aguardente vínica da Lourinhã foi submetida a um processo de envelhecimento, com três formas de madeira: aguardente colocada em vasilha de madeira (V), aguardente colocada em vasilha de inox com introdução de madeira sob a forma de dominós (D) e aguardente colocada em vasilha de inox com introdução de madeira sob a forma de tábuas (T), tendo sido colhidas amostras de aguardente, ao fim de 180 dias de envelhecimento, para análise e quantificação dos compostos odorantes. Os resultados obtidos mostram que a forma da madeira teve um efeito altamente significativo na maioria dos compostos analisados. No caso dos compostos odorantes derivados da lenhina da madeira (fenois voláteis e vanilina), os teores mais elevados foram encontrados nas aguardentes envelhecidas na presença de fragmentos (dominós ou tábuas), enquanto para os compostos odorantes derivados das hemiceluloses da madeira (ácido acético e aldeídos furânicos) os teores mais elevados foram determinados nas aguardentes envelhecidas em vasilha de madeira. Os resultados deste trabalho sugerem a possibilidade de diferenciação química das aguardentes, em função da tecnologia de envelhecimento.
Dissertação apresentada à Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Inovação e Qualidade na Produção Alimentar.
Dissertação apresentada à Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Inovação e Qualidade na Produção Alimentar.
Biologia do envelhecimento
Biologia do envelhecimento
Biologia do envelhecimento
Envelhecimento humano
Envelhecimento ativo
A presente comunicação insere-se no âmbito de um estudo de caso de natureza qualitativa, realizado numa turma de informática da Universidade Sénior Albicastrense (USALBI), durante o ano letivo 2010/2011, com o objetivo de compreender a importância das TIC em geral, e do Facebook, em particular, na promoção do envelhecimento ativo e na qualidade de vida dos idosos. Tendo em conta a realidade atual em que os idosos se encontram inseridos, no grupo de cidadãos info-excluídos, surgiu o interesse em realizar este estudo, de modo a refletir acerca das políticas sociais para a promoção da infoinclusão destes cidadãos idosos. Atualmente as redes sociais digitais são uma ferramenta de comunicação utilizada por muitas pessoas pelo que os idosos não podem nem devem ficar excluídos. Neste âmbito, o Facebook é a maior rede social digital em todo o mundo, sendo importante investir na formação dos idosos de modo a poderem usufruir das potencialidades desta plataforma. Globalmente, esta investigação consistiu na observação não participante dos idosos da turma de informática, na realização de entrevistas semiestruturadas aos idosos e à professora de informática e também na aplicação de uma grelha de exploração cronológica baseada nas funcionalidades do Facebook. Os resultados deste estudo permitiram constatar que as TIC permitem um acesso rápido à informação, são um instrumento de atualização de conhecimentos e uma ferramenta utilizada por estes idosos para comunicar. Quanto ao Facebook, concluiu-se que é uma rede social digital extensível a todas as idades, promove a socialização, combate o isolamento, contribuindo para uma aprendizagem ao longo da vida, permitindo ainda dar resposta social positiva, para que os idosos possam ter um mais adequado envelhecimento ativo e uma melhoria significativa na sua qualidade de vida.