Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for idade and 1,407 records were found.

A Diabetes Mellitus Gestacional (DMG) é o distúrbio metabólico mais comum na gravidez, afectando 1 a 10% de todas as grávidas. Diversos estudos demonstram amplas diferenças na prevalência da doença devido a diferentes critérios de screening/diagnóstico aplicados e às características da população em estudo. Segundo a Sociedade Portuguesa de Diabetologia, os critérios actualmente adoptados em Portugal para diagnóstico da DMG são os da 4ª Conferência Internacional sobre Diabetes Gestacional, em tudo semelhantes aos da American Diabetes Association (ADA). Objectivos: Avaliar se uma Prova de Sullivan (PS) positiva (glicémia ≥ 140 mg/dl), implica sempre a positividade da Prova de Tolerância à Glucose Oral (PTGO) com 100g de glucose, em mulheres no 2ºTrimestre de gestação, seguidas no Hospital Infante D.Pedro (Aveiro, Portugal). Pretende-se ainda verificar se existe associação entre a idade materna avançada (≥ 30 anos), a Hipertensão (HTA), a gravidez gemelar e o risco de desenvolver DMG, nesta população. Material e métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo, no qual se seleccionaram dados no Sistema Informático do Laboratório (LIS), de mulheres no 2º Trimestre de gestação que já tivessem efectuado a PS e PTGO com 100g de glucose. Os dados incluíram os valores de glicémia no soro correspondentes a ambas as provas, idade materna e diagnóstico. Posteriormente, foram analisados estatisticamente (SPSS 7.0). Neste estudo utilizaram-se os critérios da American Diabetes Association (ADA). Resultados: 125 mulheres já tinham realizado PS e PTGO com 100g de glucose no 2ºTrimestre de gestação. Ao relacionar ambas as provas, foram identificados 4 falsos negativos para PS (3,2%), 84 falsos positivos (67,2%) e 14 (11,2%) verdadeiros positivos (com DMG); 18 grávidas apresentaram HTA, sendo que apenas 2 tinham em simultâneo HTA e DMG; Observou-se a presença de 10 mulheres com gravidez gemelar, sendo que nenhuma apresentava DMG. Conclusão: A positividade para PS não implica sempre positividade para PTGO, uma vez que foram detectados muitos falsos positivos (PS positiva e PTGO negativa), devido à prova de screening utilizada; Idade materna ≥ 30 anos, constitui um factor de risco para a DMG na população em estudo; Para determinar se a HTA e a gravidez gemelar constituem um factor de risco para desenvolver DMG nesta população, seria importante a obtenção de mais informações clínicas.
Contém: vol. 1 : A Grécia e o mundo helenístico ; Roma e os princípios do cristianismo
Contém: vol. 1 : A Grécia e o mundo helenístico ; Roma e os princípios do cristianismo
Contém: vol. 1 : A Grécia e o mundo helenístico ; Roma e os princípios do cristianismo
Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco, com vista à obtenção do grau de Mestre em Actividade Física, na Especialidade de Gerontomotricidade.
Contém: vol. I : O bébé e a criança pequena
Contém: vol. I : O bébé e a criança pequena
Contém: vol. I : O bébé e a criança pequena
Dissertação de Mestrado em Engenharia Zootécnica realizado na Universidade dos Açores em colaboração com a Escola Superior Agrária de Castelo Branco.
Contém referências bibliográficas
Contém referências bibliográficas
Documentação e informação
Diagnóstico
Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto, Universidade de Coimbra, 2007
Recuperação do crescimento
As infecções provocadas pelo VIH e VHC estão disseminadas por toda a população, sem atender ao extracto social, idade ou sexo. A partir de uma abordagem dos aspectos clínicos e epidemiológicos destes vírus e, sabendo que Portugal tem aproximadamente 12 milhões de habitantes, este artigo pretende identificar a percentagem de doentes com VIH e VHC positivos nos Serviços da Unidade Local de Saúde E.P.E. de Castelo Branco e, verificar a existência ou não de casos de co-infecção. Para tal, efectuou-se a recolha dos resultados de análises ao VIH e VHC realizados no ano 2009. Registaram-se 1178 amostras das quais 460 eram indivíduos do sexo masculino e 718 do sexo feminino, com um intervalo de idades dos 3 meses aos 99 anos. Os dados recolhidos foram submetidos a tratamento estatístico utilizando o programa SPSS versão 17.0. Os resultados depois de analisados mostraram que existe uma maior percentagem de infecção por VIH em indivíduos do sexo masculino em relação ao sexo feminino. O mesmo se verificou em relação à infecção por VHC na qual existe uma maior percentagem em indivíduos do sexo masculino. Constatou-se também que o Serviço Hospitalar com maior prevalência de VIH positivos foi o Serviço de Internamento de Psiquiatria seguido dos Serviços de Laboratório e de Urgência de Medicina ao passo que, os Serviços da área da Gastro/Hepatologia, Diálise e Psiquiatria registaram uma maior prevalência de indivíduos VHC positivos. A nível de co-infecção VIH/VHC positivos foi identificado um indivíduo do sexo masculino com 37 anos de idade, proveniente do Serviço de Psiquiatria. Conclui-se que, os resultados obtidos estão de acordo com outros estudos feitos a nível Europeu e Mundial, podendo afirmar-se que a nossa realidade é similar à de outros países.
Vol. 1 : A Idade Média
Contém: vol. 1 : Idade Média
Contém: vol. 1 : O animal vertical
Contém: vol. 1 : Representaçäo do espaço tridimensional nos desenhos de casas
Contém: vol. I : Das origens à Grécia
Contém: DVD 1 : A idade média
Contem: Vol 1: Pré-História e primeiras culturas I
Contém: vol. 1 : O animal vertical
Contem: Vol 1: Pré-História e primeiras culturas I
Contém: vol. 1 : O animal vertical
Contem: Vol 1: Pré-História e primeiras culturas I
Contém: vol. 1 : Pré-história e primeiras culturas
Contém: vol. 1 : Pré-história e primeiras culturas
Contém: vol. 1 : Pré-história e primeiras culturas
Trabalho de Projeto apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
O presente relatório descreve um estágio pedagógico, bem como um estudo investigativo em torno da iniciação à aprendizagem do violino em diferentes idades. A multiplicidade de idades dos alunos que acedem ao nível de iniciação e as suas características em termos de desenvolvimento musical, da sua motivação, personalidade e identidade musical, constituíram as problemáticas de partida para o desenvolvimento deste estudo. O projeto desenvolveu-se nas minhas classes de violino nas instituições Amare (Associação Musical de Artes e Espetáculo), academia O Mestre e escola de música Arpeggio, onde foi possível levar a cabo a investigação com três grupos de alunos de diferentes idades, ao longo do ano letivo de 2015/2016. Como principal objetivo, pretendeu-se caracterizar estes grupos de alunos em termos da sua relação com a música, com vista à definição de estratégias e metodologias que melhor se adequam a cada grupo. Como tal, tornou-se imprescindível uma pesquisa teórica ligada ao desenvolvimento do ser humano, assim como ao desenvolvimento musical. A pesquisa bibliográfica orientou-se igualmente para aspetos ligados a questões de identidade musical, significados musicais e processos de aprendizagem. Os dados foram recolhidos ao longo do ano letivo através de uma observação regular dos seus desempenhos e através de entrevistas semiestruturadas. Os resultados apontam para diferenças entre os grupos, reforçando a literatura e contribuindo para a adaptação metodológica que o professor deve procurar. Fica reforçada a importância do papel do professor no processo de ensino-aprendizagem, o qual deve ser multifacetado nos diversos domínios, atualizando e revendo as suas práticas de acordo com as realidades e necessidades encontradas, de forma a desenvolver um ambiente pedagógico rigoroso, de aprendizagem efetiva e de alto profissionalismo.
O problema da infoexclusão tem que constituir uma preocupação que envolva t odos os cidadãos sem exceção. A presente comunicação tem como principal objetivo alertar para a necessidade de se desenvolverem medidas práticas para que os cidadãos mais idosos com 65 e mais anos de idade passem a constituir o grupo dos infoincluídos uma vez que os dados estatísticos os enquadram no grupo dos infoexcluídos. Para o efeito, serão apresentadas as principais iniciativas da União Europeia, assim como, as principais iniciativas nacionais para que este grupo de cidadãos possa desenvolver a litera cia e as competências digitais que lhes permitam utilizarem as Tecnologias/TIC no sentido de poderem incrementar a sua qualidade de vida.
Introdução: A Organização Mundial de Saúde define Saúde Sexual como um estado de completo bem-estar físico, emocional, mental e social associado à sexualidade, devendo os direitos sexuais de todas as pessoas ser respeitados, protegidos e satisfeitos. O reconhecimento destes direitos colide, muitas vezes, numa série de preconceitos e mitos relativamente aos idosos no que diz respeito à sexualidade na terceira idade uma vez que, para grande parte da nossa sociedade, os idosos são vistos como seres assexuadas e desprovidos de desejo ou necessidades sexuais. Objetivos: Avaliar as atitudes e os níveis de conhecimento daqueles que cuidam dos idosos, num contexto institucional, em relação à sexualidade na terceira idade e quais as variáveis que podem influenciar ou determinar as dimensões avaliadas. Metodologia: Estudo exploratório, comparativo e correlacional, com amostra por conveniência constituída por 329 cuidadores formais de 16 instituições de apoio a idosos do distrito de Castelo Branco. Na recolha de dados foi utilizado um questionário de caracterização sociodemográfico da amostra e a Aging Sexual Knowledge and Attitudes Scale que avalia os conhecimentos e atitudes em relação à sexualidade na terceira idade. Resultados: Foi encontrada uma correlação positiva entre os níveis de conhecimentos e as atitudes e, de uma forma geral, os cuidadores apresentam bons níveis de conhecimentos e atitudes permissivas em relação à sexualidade na terceira idade, apesar de nenhum dos sujeitos ter recebido formação especifica na área da sexualidade na terceira idade. Os sujeitos mais velhos, com mais anos de experiência e com qualificações mais baixas apresentam menos conhecimentos e atitudes significativamente menos permissivas. Conclusões: Existe uma forte relação entre os conhecimentos e as atitudes em relação à sexualidade na terceira idade. O perfil sociodemográfico, as habilitações e a experiência profissional apresentam relações significativas com os conhecimentos e atitudes avaliados, reforçando a necessidade de formação na área da sexualidade na terceira idade, como forma melhorar a qualidade dos serviços e o reconhecimento dos direitos das pessoas idosas.
Disponível na Biblioteca da ESACB na cota C30-25807TFCEZ.
Dissertação apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo, para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Atividade física.
O envelhecimento determina a necessidade de intervenções no âmbito da promoção da saúde. Com o avançar da idade, a deterioração estrutural e funcional ocorre na maioria dos sistemas fisiológicos, mesmo na ausência de doença. Alterações do equilíbrio, mobilidade limitada e medo de quedas são frequentemente mencionados como principais factores de risco de quedas, contribuindo para o risco de fracturas, admissões hospitalares, requisição de cuidadores, institucionalização e até morte. A evidência sugere que a actividade física regular traz benefícios substanciais à saúde dos idosos. Materiais e Métodos Estudo comparativo e longitudinal. Amostra de conveniência, constituída por 25 indivíduos, residentes na comunidade. Os sujeitos foram incluídos num dos grupos em estudo (protocolo de classe de movimento no solo - 9 indivíduos; protocolo de hidroterapia – 16 indivíduos). Foi aplicado previamente o MMSE, para avaliar a ausência de défice cognitivo nos adultos idosos. A média de idades dos participantes foi de 69,08 (±7,16) anos e o IMC de 28,56 (±3,49). Os instrumentos utilizados foram a Escala de Equilíbrio de Berg, a Falls Efficacy Scale, o Timed Up Test and Go, o SF-12-V2. A recolha de dados foi realizada no início e final da intervenção, que se realizou durante 4 semanas. Resultados Os grupos em estudo não apresentavam diferenças significativas antes da intervenção, com excepção da dimensão mental do SF-12-V2. Ambos os grupos revelaram melhorias significativas na dimensão física do SF-12-V2, no equilíbrio, no risco de quedas e na mobilidade. Na comparação entre grupos o grupo que realizou exercícios no solo apresenta maiores ganhos no equilíbrio e no risco de quedas, com diferenças estatisticamente significativas relativamente ao grupo que realizou hidroterapia. Conclusão A realização de um protocolo de exercícios no solo mostrou-se mais efectivo para o equilíbrio e o risco de quedas.